Home » » Kill All The Secrets - Capítulo 2.18 - " The Surprise "

Kill All The Secrets - Capítulo 2.18 - " The Surprise "







Nome: Kill All The Secrets (Mate Todos Os Segredos).

Número de Temporadas: 3.

Capítulo: 2.18 - " The Surprise "

Classificação : 16 + - Contem cenas de violência,mortes,sexo,insinuações...

Gênero : Drama,Comédia,Mistério...

Autora: Laura.

Personagens: Ashley (Principal) Brittany (Principal) Nickole (Principal) Lavínia (Vilã) Molly (Coadjuvante) Henri (Principal) Jensen (Principal ) Jared (Principal) Misha (Principal) Ben (Secundário) Chad (Coadjuvante) Lilly (Secundário) Cecy (Secundário) Rene (Secundário) Annie (Secundário) ....

Sinopse: Após os últimos acontecimentos, Ashley, Nickole e Brittany, tem suas vidas viradas de cabeça para baixo, principalmente por terem testemunhado a morte de Lavínia, da qual agora são suspeitas. Como se não bastasse os problemas com a justiça, Ash se vê de frente com seu antigo amor, que volta disposto a tê-la de volta, Jensen sente que Ash está um pouco distante, isso o deixa inseguro, se deparando com uma situação onde as decisões não dependem apenas dele. Nick se sente vazia diante de todos os acontecimentos, principalmente em seu termino com Jared, a Chegada de Misha talvez possa mudar isso, ou apenas complicar tudo ainda mais. Bri como sempre prefere viver em seu mundo onde tudo gira em torno de homens, não que isso seja uma má ideia... Molly tenta usufruir dos bens de Lav, mas não esperava por uma surpresa nada agradável. O trio de amigas no final do primeiro capítulo, se veem de frente com algo que poderia ser julgado impossível de acontecer, quem é ela ? o que ela quer? A última pergunta eu posso responder, brincar com as "culpadas" da morte de Lav.

Considerações: Quando tiver o player nas cenas serão as músicas das cenas,acho que não tem necessidade de ficar colocando toda hora "música da cena",mas como este é o primeiro capítulo tudo Ok.Ainda Sobre as músicas,quando uma cena não tiver música,aproveite a música da cena passada (Até a cena que tiver um novo player),por que eu escolho as músicas pensando nisso.
Onde estiver Look (Exemplo,Look Ashley,Look Das garotas),vocês podem clicar para visualizarem a roupa dos personagens e os Personagens. Quando estiver Casa da Ashley,carro,escola,podem clicar para visualizarem o local onde a cena ocorreu !!!!

.........................................................................................................................................



2.18 - " The Surprise "
"A Surpresa"


- Ashley. Patrick se assustava ao ver a afilhada entrando na Delegacia. - O que você. Olhava Bri,Nick e Lav entrando logo atrás. - Ou melhor, o que vocês estão fazendo aqui? Como ela está andando? Ficava surpreso.
- Longa historia.  Sorria um pouco sem graça.
- História que vamos esclarecer agora. Agente Donovan entrava na recepção da delegacia. - Xerife, me acompanhe por favor. Caminhava até a sala de depoimentos, fazendo Patrick ir logo atrás.
- Soldado Andy. Patrick se virava para trás. - Fique de olho. Apontava as meninas e logo entrava na sala.
- Pode deixar. Fazia sinal para elas se sentarem no sofá.
- Que ódio, ter que ficar nessa espelunca de quinta aguardando esses dois velhos caducos me atender. Lav bufava, apoiando seu cotovelo no braço do sofá.
- Nem sei do que você está reclamando, seu lugar é numa dessas celas ai, bem nojentas.
- Ai é que você se engana Ash querida.
- Não, ela não se engana. Bri se intrometia. - Quem sabe hoje mesmo você não se muda para uma delas. Sorria ironicamente.
- Não fique tão otimista com essa ideia Bri.  Sorria, olhando para ela.
- Você acha que vai conseguir se safar? A verdade está cada vez mais próxima. Nick dizia.
- Assim como a sua e a do Misha? Gargalhava.
- Como você sabe? Dizia surpresa.
- OMG. Bri e Ash diziam juntas, olhando uma para cara da outra, pensando realmente que Lav podia ser L.B.
- Isso fica por conta da sua imaginação Nick querida. Sorria cinicamente.
- Ashley, Brittany e Nickole, o Xerife está pedindo para vocês entrarem. Soldado Andy dizia.
- E enquanto a Mim? Lav via as meninas se levantarem.
- Você vai continuar esperando até o Xerife solicitar a sua presença. Soldado Andy se levantava de sua mesa, acompanhando as meninas até a sala de depoimentos.
- Awesome. Lav bufava. - Delegaciazinha de quinta, nem uma revista para ler. Abria sua bolsa, começando a mexer em seu celular.



Relembrando: Look Ash - Look Bri Look Nick - Look Lav - Agente Donovan - Soldado Andy - Delegacia


- Xerife. Soldado Andy abria a porta da sala de depoimentos. - As meninas. Dava passagem para elas
- Obrigado Soldado, agora, pode se retirar e fique de olhos bem atentos na Senhorita Vanderbill.
- Pode deixar senhor. Fechava a porta, saindo dali.
- Então meninas. Agente Donovan as via se sentar, uma do lado da outra.
- Sim Agente Donovan. Ash se sentava na cadeira do meio. - Pode começar a fazer as perguntas.
- Bom, antes de começar, eu vou tomar esse depoimento de vocês de uma só vez, assim evitamos de ter que ficar repetindo tudo...
- Tudo bem. As três diziam juntas.
- Para começar, como vocês tiveram a ideia, ou melhor, porque vocês atacaram a Senhorita Vanderbill?
- Por que. As três diziam e logo trocavam olhares. - Ela nunca esteve paralítica, desde o julgamento da Molly pelo menos. Bri dizia.
- Como?
- No dia do julgamento da Molly Mollyart, ela mexeu suas pernas, mostrando que não tinha perdido os movimentos dela como alegava. Ash olhava para Patrick.
- E porque vocês ficaram quietas esse tempo todo sobre essa suspeita?
- Porque, talvez ela estivesse recuperando o movimento das pernas e nós não queríamos ser injustas. Nick se intrometia rapidamente.
- Ok, mas vocês poderiam ter avisado a polícia. Patrick dizia.
- E o que nós iriamos dizer? Principalmente se você chamasse ela para esclarecimentos? Ash dizia ironicamente. - Levanta e Anda? Não acha isso muito bíblico?
- No mínimo iriam pensar que era algum tipo de milagre, o boato iria se espalhar, e vocês iam ficar com fama de enviados de Deus. Bri começava a gargalhar histericamente. - Já até imaginei a fila em frente a sua casa Ash, romeiros iriam chegar de toda parte, querendo receber um milagre também.
- Bri. Nick a repreendia sorrindo.
- Me desculpe. Patrick parava de rir também. - Sobre essa historia da Senhorita Vanderbill, o que vocês podem dizer?
- Na minha opinião, ela estava fingindo esse tempo todo. Ash dizia.
- Pra mim, ela nunca ficou paraplégica. Bri dizia normalmente.
- Mas talvez, possa ter sido uma paralisia temporária. Nick tentava equilibrar o depoimento.
-  Tudo bem, isso é tudo que nós precisamos. Agente Donovan dizia. - Xerife, o Senhor gostaria de fazer alguma outra pergunta?
- Sim, na opinião de vocês, quem matou Amy Vanderbill e Olivier Brower?
- Talvez a Lavínia. Ash dizia com um certo receio.
- Ela teria coragem de um ato desses?
- Eu não me espantaria. Bri se intrometia. - Ela é uma pessoa ruim.
- E você Nickole, o que acha?
- Eu apostaria na Lavínia também, mesmo sabendo que a Molly pode ser uma culpada. Despistava.
- Existe algum modo de vocês provarem isso? Agente Donovan dizia intrigado.
- Não,mas talvez a polícia consiga. Ash se levantava. - E só mais uma coisa. Olhava para Patrick. - Caso vocês forem investigar a Lav, ou fazer perguntas sobre o assassinato dos pais dela, evite dizer que eu e as meninas levantamos a suspeita. Ash dizia receosa.
- Pode deixar que eu não vou dizer nada. Patrick sorria.
- Então, isso é tudo que precisamos, podem ir e qualquer coisa, eu vou procurá-las novamente.
- Tudo Bem. Saíam da sala cochichando, se aproximando da recepção.

- Parece que finalmente temos um nome para trabalhar. Agente Donovan dizia animado.
- Um nome diferente você quer dizer.
- Sim. Olhava para Patrick. - Você acha que a Ashley e as meninas disseram completamente a verdade?
- Talvez, mas eu convivo com ela todos os dias, sei que ela é uma garota boa, honesta.
- Ok. Apertava o botão do telefone perto de si, ligando para a recepção, pedindo para Soldado Andy trazer Lav.


- Lav, Boa sorte com seu depoimento, espero quem sabe te visitar na prisão. Bri passava perto dela provocando, que se levantava.
- Sorte queridas, é para amadores. Sorria cinicamente.
- Não tenha tanta certeza disso. Ash sorria. - Certos acontecimentos, são inevitáveis e nem você pode evitá-los.
- Pode contar vitória Ash, mas eu juro, diante de você. Se aproximava do ouvido dela. - Você vai se arrepender desse dia amargamente.
- Vamos Ash. Nick a Puxava. - Deixe essa psicopata ai. Saíam dali.
- Senhorita Vanderbill, me acompanhe por favor. Soldado Andy se aproximava dela.
- Ok Soldadinho. Olhava sensualmente para ele. - Vamos até a sala do Xerife. Saía dali, passando pelo corredor, logo chegando na sala, entrando sem ser anunciada.
- Senhor Xerife, ai está ...
- Queridinho, pode se retirar, caso o Xerife precise de você, ele irá chamar. Lav fechava a porta na cara dele, logo em seguida caminhando até a cadeira onde se sentava. - Então Xerife, vamos logo ao assunto porque eu não tenho o dia todo para perder aqui. Cruzava as pernas.
- A Senhorita tem algum compromisso para ter essa pressa toda? Agente Donovan a olhava. - A propósito, Sou o Agente Federal...
- Me poupe da sua apresentação que eu já sei quem o Senhor é. O olhava com nojo, de cima em baixo.
- Porque a hostilidade Senhorita Lavínia? Patrick a olhava.
- Porque eu acabei de sair de uma cadeira de rodas e quero ir no hospital verificar minhas pernas, ver se está tudo bem. Olhava para eles. - E sem mencionar que esse lugarzinho não é local para mim. Sorria.
- E o que seria um local adequado para a Senhorita? Agente Donovan a Olhava.
- Um lugar luxuoso de preferência longe dessa cara sua. Dizia cinicamente.
- A Senhora está ciente que eu posso predê-la por desacato certo?
- Pena que se me prender, eu pago a fiança na mesma hora e saio, essa é nossa diferença, enquanto você trabalha para ganhar uma porcaria do governo, eu tenho tudo que quero, sem fazer nada.
- Você... Agente Donovan se levantava nervoso.
- Se acalme agente. Patrick o puxava, fazendo mesmo se sentar.
- Ok. Se controlava. - Vamos ser diretos então Lavínia Vanderbill. Donovan debochava do nome dela.
- Fine. Concordava. - O que vocês querem saber?
- Para começar, porque você estava fingindo ser uma paraplégica?
- Não coloque palavras na minha boca Agente, eu estava paralítica, mas Deus gosta tanto de mim, que resolveu me agraciar com um milagre. Dizia docemente, embora soasse como o bom e velho cinismo de sempre.
- Sério? Sorria. - E como a senhora pode provar isso?
- A clínica que eu fiquei me recuperando, os exames, meus medicamentos. Sorria. - Caso o Senhor queira, tem um exame recente que eu fiz no hospital daqui. Tentava não gargalhar. - O Xerife Patrick mesmo está de prova.
- Isso confere Xerife? Olhava para ele.
- Sim. Olhava para Lav. - Ela teve um desentendimento com sua enfermeira por causa de dinheiro, ela queria receber mais do que deveria ganhar e a Lavínia não aceitou pagar mais do que o combinado, a Enfermeira se revoltou e jogou ela. Apontava Lav. - Da escada, caso queira, tenho o registro completo dessa historia arquivado.
- Ok, depois eu vou dar uma olhada. Olhava fixamente para Lav. - Bom, então vamos supor que essa historia toda de milagre seja verdade. Dizia, duvidando de si mesmo. - Porque a Senhorita Baltmoore tentaria provar a sua não invalidez?
- Porque ela é despeitada, tem inveja de mim, sem contar que isso foi ceninha de ciúmes, porque eu estou me envolvendo com um Ex namorado dela. Se aproximava um pouco dele, começando a sussurrar. - Que fique entre nós, mas ele era professor dela e a Ashley se envolveu com ele apenas por notas.
- Ok. Olhava para Patrick. - Já que a Senhora pode provar que estava realmente paraplégica, não tem porque eu prosseguir com esse interrogatório.
- Sou uma mulher inocente. Se levantava.
- Acho melhor a Senhorita se sentar.
- Ok. Se sentava na cadeira de volta.
- Eu estou investigando a morte dos seus Pais e gostaria de obter algumas informações.
- Pode perguntar Agente Donovan, terei prazer em respondê-las. Sorria cinicamente.
- Onde a Senhorita estava na noite em que seus Pais morreram?
- Bom, quando minha Mãe morreu, eu ainda morava em Vancouver, no Canadá. Sorria. - Estava na cidade apenas para a formatura da Molly e para rever as pessoas com quem eu estudei. Jogava o cabelo para trás. - A festa acabou com um tumulto e eu fui embora para o apartamento onde eu estava hospedada, fiquei sabendo da Morte da Minha mãe pela Molly. Olhava para o chão, fingindo um choro.
- E alguém teria acesso a sua casa? Ou apenas você mesma?
- Olha agente, eu sei que posso passar essa imagem de fria, mas matar a própria Mãe, que tipo de monstro faria isso? Se fazia de vítima.
- Ok, mais alguém teria acesso a sua casa?
- Bom, a Molly tinha acesso a minha casa, nós sempre fomos amigas, ela sempre dormiu na minha casa,inclusive tinha até uma chave para ter acesso...
- Molly Mollyart?
- Sim.
- Ok e enquanto a seu Pai? Algum suspeito?
- Bom, meu Pai era um homem misterioso, ficou um bom tempo fora, talvez possa ter sido alguma vingança de inimizades dele, alguma desavença, dívidas... Olhava para baixo. - Eu realmente não sei.
- Tudo bem senhorita Vanderbill, isso é tudo que eu preciso por enquanto, a Senhora está dispensada, pode ir.
- Thanks Agente Donovan e Xerife Patrick. Se levantava de sua cadeira, saindo dali, logo fechando a porta.
- Bando de velhos incompetentes. Caminhava pelo corredor gargalhando. Quer saber, vou em um certo lugar, fazer uma visita surpresa. Passava pela recepção, saindo da Delegacia. - Mas antes, vou em casa me trocar. Parava um Táxi qualquer.

...



- Será que a coisa da Lav vai ficar presa? Bri dizia enquanto se aproximava do Campus, acompanhada de Ash e Nick.
- Do jeito que ela é, isso seria difícil de acontecer. Ash olhava para Bri. - Mas motivos para desconfiarem dela agora a polícia tem.
- Queria ela presa, isso sim. Nick dizia.
- Todos nós queríamos, mas vamos ser positivas. Bri Sorria.
- Sabe, desde a hora que a Lav falou sobre o caso da Nick com o Misha que eu estou pensando em algo. Ash olhava para Bri.
- Que a Lav é a L.B. ? Bri deduzia.
- Yeah, a Lav não iria saber disso assim...
- Não tenha tanta certeza Ash. Nick dizia. - A Lav é esperta e sempre sabe desse tipo de coisa.
- É, você tem razão. Concordava.
- E se formos pensar, não tem como a Lav ser a L.B. aquele dia na floresta a Lav estava jantando com o Jensen...
- É, não é a Lav mesmo. Ash dizia pensativa.
- Mais que a sigla vem do nome dela, isso é inegável... Bri Percebia a presença de Henri na porta de entrada do Campus.
- Oh My God, eu tinha combinado de almoçar com ele, e acabei almoçando com vocês. Ash se lembrava.
- Meninas, podem ir sem mim, que eu vou direto para o salão de festas depois, ajudar na decoração para o Baile, caso agente não se encontre no fim da tarde...
- Pode deixar Ash, nós vamos para sua casa se arrumar por lá, como de costume. Nick a interrompia.
- Ok. Sorria.
- Vamos Nick, você tem que ver algo na biblioteca. Bri saía puxando a amiga.
- O que tem na biblioteca? Dizia curiosa.
- Surpresa.


Look Henri


- Ash. Henri se aproximava dela. - Como você está? Fiquei sabendo do que aconteceu...
- Eu estou bem. Sorria, ficando de frente para ele.
- Mas o que realmente aconteceu?
- Eu quis provar que a Lav estava andando e deixar o agente Federal que está na cidade, com uma certa dúvida sobre ela.
- E ele está na dúvida? Ocorreu tudo bem na delegacia?
- Sabe como são esses agentes, nunca se sabe o que eles pensam, mas ocorreu tudo bem na delegacia sim. Sorria. - E Desculpe por não te avisar, ou por não ter ligado para desmarcar o almoço que tínhamos combinado.
- Tudo bem. Sorria. - Você almoçou com as meninas?
- Sim. Olhava as horas em seu celular. - Oh My God, eu preciso ir.
- Espera. Segurava nas mãos dela. - Para onde você vai?
- Eu tenho que ajudar na decoração do Baile de hoje a noite.
- Hummm. Dizia pensativo. -  E você já tem algum acompanhante para ir? Se fazia de inocente.
- Teve algumas pessoas que me chamaram, mas ainda estou pensando quem vou escolher. Dizia pensativa, olhando para ele.
- Isso é sério? Dizia um pouco enciumado.
- Uhun. Balançava a cabeça confirmando. - Mais eu disse para eles que irei com meu namorado. Sorria.
- Acho bom. Sorria, logo iniciando um beijo. - Posso passar na sua casa para te pegar?
- Claro. Sorria, olhando nos olhos dele.
- Que horas?
- As Oito e agora eu preciso ir. Saía dali.
- Ok, até mais tarde. A via se distanciar.

.....



- Bri, que surpresa é essa? Nick dizia caminhando pela biblioteca.
- Acho que você vai gostar. Gargalhava.
- Ai Deus, não quero ser expulsa do Campus. Dizia pensativa. - É alguma coisa Porn?
- O que você está pensando que eu sou? Se fazia de vítima. - Até porque a surpresa mesmo não é minha. Entravam na salinha de Bri, ficando assustadas com o que viam.
- Misha seu Pervertido. Bri gargalhava ao vê-lo em cima da mesinha, trajando apenas uma cueca, com o Livro Kama Sutra perto, fazendo algumas posições sozinho. - Desce da mesa. Continuava gargalhando.
- OH My Goodness. Nick tampava os olhos.
- Eu...eu....eu... eu... posso explicar. Ficava vermelho.
- Depois eu é que sou a safada. Bri jogava o cabelo sorrindo.
- Desce dai, o que você faz de cueca em cima da mesa e nessas posições? Nick dizia olhando para o lado.
- Foi a Bri. Misha dizia confuso,coçando a cabeça.
- Eu? Bri dizia surpresa.
- Bri? Nick se virava para ela.
- Eu não fiz nada, apenas disse que o Kama Sutra é um bom manual de instruções, se ele teve curiosidade em descobrir sozinho, não posso fazer nada. Olhava para ele. - E só para o Senhor entender, essas posições ficam mais interessantes com uma acompanhante. Piscava para ele.
- Bri. Nick dava um tapa no braço dela.
- Au. Gritava. - Se você não apaga o fogo dele a culpa não é minha. Dizia bem alto.
- Oh Gosh. Percebia algumas pessoas olhando para a salinha. - Você poderia ser um pouco mais discreta. Dizia envergonhada.
- Desculpe Gente. Bri caminhava até a porta de sua sala, fechando-a. - Não liguem é que a Santa aqui não faz sexo há mais de. Comtava nos dedos.
- Brrrriiii. Jogava um livro qualquer nela.
- Que estressada. Fechava a porta.
- Agora você pode me explicar o que ele faz aqui? Apontava Misha, que achava engraçado o jeito de Bri.
- Se você fosse uma namorada mais atenciosa saberia que ele está trabalhando aqui agora. Sorria cinicamente para ela.
- Como? Ficava mais surpresa ainda.
- Misha, vá se trocar no banheiro enquanto eu atualizo ela.
- Ok. Pegava suas roupas no chão, caminhando até a porta do banheiro ao seu lado lado, entrando ali.

- Bri, como assim ele está trabalhando aqui? Se aproximava da poltrona, sentando nela.
- Ele começou hoje, eu só não te contei porque ele queria fazer uma surpresa, mais ai teve essa coisa toda da Lav...
- Oh, eu não sabia.
- É claro que você não sabia, porque você o evita, age feito uma adolescente idiota, que foge dos seus sentimentos. Dizia bem baixinho.
- Nossa, não precisa ser tão grossa assim comigo. Dizia, percebendo que a verdade fora jogada em sua cara. - E para o seu governo, eu já tomei uma decisão, eu vou terminar com ele.
- Really? Dizia interessada. - Quer dizer então que ele vai ficar livre? Gargalhava.
- Acho que é o justo a se fazer, mesmo que isso magoe ele, é melhor do que mentir.
- Eu concordo com você. Exibia seu olhar perverso.
- Bri, só um conselho, você não deveria ficar dando esses conselhos para o Misha, ele é meio inocente, como já te contei, ele apenas se relacionou com a Mulher dele, que morreu.
- Ué, só estou dando conhecimento para ele. Sorria. - E conhecimento é fundamental.
- Oh God, Misha trabalhando nesse antro de perdição que se chama Biblioteca, não vai prestar.


- Nick desculpa pela Cena. Misha saía já vestido do Banheiro.
- Tudo bem,mas só tome cuidado.
- Com o que? Olhava para ela.
- A convivência com a Bri não traz muito juízo.
- Autch. Ela fingia estar ofendida.
- Misha, eu queria conversar algo sério com você.
- Espera, eu estava pensando e fiquei sabendo do baile que vai ter aqui hoje e gostaria de saber se você quer ser minha acompanhante?
- Uau. Dizia surpresa. - Eu não sei o que dizer. Ficava surpresa.
- Acho que sim seria uma boa resposta. Sorria.
- Não, é que... Dizia pensativa. - Você tem certeza que não vai ter problema algum eu te acompanhar?
- Não. Sorria. - Podemos ir juntos então?
- Uhun. Balançava a cabeça confirmando.

Relembrando: Look Misha - Biblioteca

- Isso porque essa vaca disse que ia largar. Bri pensava consigo, caminhando até a porta, abrindo-a, vendo algo que despertava seu interesse,  um belo aluno que olhava alguns livros nas estantes perto de sua sala. - Quer saber. Se aproximava dele. - Hey. Sorria para ele.
- Hi. Olhava para ela de cima em baixo. - Você estuda aqui?
- Vamos deixar de papo e ir ao que interessa? O puxava para si, iniciando um beijo, os dois começavam a rolar pelas estantes, até se aproximarem das paredes, fazendo Bri entrelaçar suas pernas no quadril do rapaz, que a prensava na parede.
- Oh My God. Nick olhava a cena assustada.
- Porque ela está fazendo isso? Misha dizia surpreso e um pouco incomodado.
- Porque ela é maluca.
- Uau, que beijo. O rapaz dizia ofegante, olhando para os olhos dela.
- Thank You. Dizia entre os dentes.
- Bri sua louca, pare com isso. Nick se aproximava. - Isso logo vai virar um filme pornô.
- Fine. Olhava para ela.
- Bom, vou indo. O rapaz a soltava delicadamente. - Depois agente se esbarra por ai.
- Ok. Bye. Dava um tchauzinho para ele e logo se aproximava de Misha, falando perto dele. - Isso é uma das coisas que aquele livro não ensina. 

...


- Molly, como você está? Uma das recepcionistas da prisão via a  mesma chegar, acompanhada de Chloe e de uma Policial.
- Eu estou bem e o bebe também. Sorria.
- Ai que bom, fique sabendo que a Fathollah já foi transferida.
- Thanks. Sorria.
- Ah, você tem visitas.
- Sério? Dizia surpresa. - Quem é?
- Pediu para não falar o nome, queria fazer surpresa. Sorria. - Chloe, você pode levar a Molly até a sala de visitas?
- Claro, vem Molly, me siga.
- Ok. Caminhavam rumo a sala de visitas.
- Molly, você escutou o médico, evite se estressar.
- Pode deixar Chloe. Paravam em frente a sala. - Agora com a Fathollah longe, não tem nada que possa me deixar nervosa.
- Ok, aproveite sua visita. Abria a porta da salinha.
- Thanks. Entrava, percebendo um longo cabelo loiro já familiar.
- Molly queridinha, achei que ia criar mofo igual essas paredes de tanto te esperar.


Look Molly - Look Lav


- O que você faz aqui? Dizia surpresa.
- Vim rever uma amiga. Gargalhava, se levantando da cadeira.
- E sua cadeira de rodas? Dizia surpresa.
- Nunca estive paralítica querida, aquilo só foi parte da minha encenação.
- O que você faz aqui?
- Nada, apenas vim rir da sua cara.
- Sabe Lav, você é um ser tão nojento e deprimente.
- Olha só quem diz, a vagabunda que engravidou de um homem por querer uma vida melhor.
- Posso ter feito isso sim, mas eu estou arrependida, o que me torna automaticamente melhor do que você, só o fato de eu estar aceitando minha punição por ter me envolvido com você...
- Deve ser ótimo ir presa por algo que não fez. Sorria cinicamente.
- Só de poder ficar longe de você e da sua maldade, já torna isso daqui melhor do que qualquer lugar no mundo.
- Bom saber disso. Sorria. - Já que sua pena vai ser aumentada mesmo. Gargalhava.
- Quer saber, eu não vou ficar aqui escutando você e seu cinismo. Dava as costas, caminhando até a porta.
- Sabe Molly, acho que eu nunca te contei como seu querido Chad morreu. Dizia, fazendo a mesma se virar.
- Não ouse falar o nome dele sua vagabunda. Gritava.
- Foi uma morte tão sofrida e dolorosa. Gargalhava. - Para evitar os gritos, fui obrigada a colar os lábios dele com aquelas colas de alta fixação...

Flash Back On




- Onde eu estou? Chad acordava meio zonzo, amarrado em cima de uma mesa.
- Não reconhece o porão da minha casa? Lav fazia bico.
- Lav,como? Via a mesma colocar luvas. - Você não morreu?
- Os mortos sempre voltam para atormentar os vivos. Sorria.
- Eu estou drogado? Dizia meio confuso.
- Não queridinho,isso é real. Pegava uma faca na bancada perto da mesa.
- Mas você não pode estar viva.
- Claro que posso,minha morte não passou de um plano,muito bem executado.
- O que você vai fazer comigo?

 Relembrando: Look Chad - Look Lav


- Sabe,eu odeio traíras,agente abre a porta de casa pra esses mortos de fome,e eles simplesmente te apunhalam pelas costas. Começava a afiar a faca.
- O que você vai fazer com está faca? Dizia assustado.
- Deveria arrancar sua língua por quase contar nosso segredinho para a Molly, aquele que fez o Henri ir embora da cidade.
- Eu juro que se você deixar eu sair daqui, eu nunca irei contar, eu juro.
- Hummm, acreditar na sua palavra ou Não, eis a questão. Olhava para a faca.
- Eu juro que não falo. Começava a chorar. - Eu juro que jamais falarei que você está viva.
- Acreditar na palavra de quem jurou nunca contar sobre nosso segredinho e já ia contar para a Molly.
- Mas eu achei que você estava morta.
- Segredo é Segredo, não importa se a pessoa está morta ou viva. Sorria.
- O que você quer de mim?
- Ah,agora sim estamos chegando em algum lugar. Dizia pensativa. - Eu quero saber se tem mais vídeos,você sabe..sobre minha mamãe querida sendo morta. Lav sorria cinicamente.
- Tem no computador da Nick.
- Esse que a Molly enviou para a Nick, eu já tive o prazer de apagar e a cópia dele também...
- Lav, por favor, não faça nada com a Molly... Dizia aflito.
- Isso vai depender da sua colaboração.
- O que você quer? Dizia desesperado.
- Eu quero que você trabalhe para mim,se é que me entende.
- Lav eu não mato ninguém,eu posso ter sido um canalha,mas matar? Jamais.
- Engraçado que quando eu pedi para você cortar o freio do carro do Henri, você nem se importou com isso...
- O Henri era parte de assuntos pessoais,mas mesmo assim, depois eu me arrependi.
- Que pena. Se aproximava dele. - Me desculpe por isso então. Desabotoava a camisa dele, fazendo um corte em seu peitoral.
- Auuuu!!! Gritava.
- Você grita feito uma mulher. Lav dizia rindo.
- Sua cadela.
- Ah, elogios. Sorria. - Olha, vou colar sua boca para você ficar quietinho. Ok fofo?
- Lav por favor,não faça nada com a Molly,deixe ela em paz,deixe ela ter o filho dela em paz.
- Ai, me poupe da sua bondade paternal. Pegava a cola.
- Eu sei que o filho não é meu,mais eu já o amo como se fosse.
- Quanto bla bla bla. Lav dizia colocando algumas gotos de cola instantânea nos lábios dele. - Agora sim,bem melhor. Gargalhava. - Vamos começar o show,quem sabe eu não faço um favor e te dou para os cachorrinhos do mato o comerem? Não,eles teriam uma indigestão. Ela dava sua risada maléfica. - Já sei,vou te despedaçar, igual aqueles frangos que compramos a pedaço no supermercado.

Flash Back Off


- Quer que eu continue? Via Molly chorar.
- Sua cretina. Molly chorava, encostando na parede, se sentindo mal. - Eu te odeio,você não podia ter feito isso com ele.
- Ah, o problema é que eu fiz e foi tão divertido. Gargalhava.
- Eu juro que vou me vingar de você.
- Tem certeza? Olha o lugarzinho que você está? Olhava em volta. - O que você pode fazer daqui?
- Eu te odeeeeio, seu monstro. Gritava.
- Ai Molly,a culpa disso tudo é sua, não mandei me trair, agir pelas minhas costas.
- Você comprou minha casa e expulsou meus pais dela.
- Fiz isso sim, mas para te proteger do seu Pai bêbado, assim você poderia se ver livre dele. Olhava para ela. - Mas como você é uma mal agradecida, não posso fazer nada. A olhava com seu olhar superior. - Se você me der licença, preciso ir até o shopping comprar um vestido para o baile de hoje a noite. Jogava o cabelo. - Bye queridinha. Jogava beijo para ela, saindo dali.
....

Horas Depois...

- Bri. Ash conversava com a amiga pelo celular, enquanto voltava para casa em seu carro. - Já estou chegando em casa, espero você e a Nick aqui.
- Ok, o Henri vai te acompanhar?
- Sim. Sorria. - E você? vai com algum acompanhante?
- Não. Fazia bico. - E antes que você pergunte, a Nick vai com o Misha.
- Mas ela não ia conversar com ele?
- Ele acabou a chamando para ir e Ela ficou com pena...
- É, eu também ficaria. Estacionava o carro em frente a sua casa. - Bri, eu preciso desligar. Percebia a presença de Jensen ali, sentado no chão do lado de fora de sua casa. - Jensen. Dizia surpresa.

Relembrando: Look Jensen




- Hi. Se levantava. - Como foi na delegacia? Dizia um pouco envergonhado.
- Ocorreu tudo bem. Parava de frente para ele.
- Eu lhe devo desculpas.
- Pelo que? Você não tem que se desculpar por nada.
- No fundo, eu achava que essa sua briga com a Lav,não passava de coisa de colégio.
- Não te culpo, afinal a Lav sabe fingir muito bem.
- Acho que eu é que sou um idiota mesmo, até minha mãe percebeu o verdadeiro jeito dela.
- Você não é idiota, é apenas um homem de bom coração. Olhava nos olhos dele.
- Você realmente acha isso mesmo depois das grosserias que eu fiz com você?
- Eu acho. Olhava para baixo.
- Então me diz, porque deu errado?
- Porque tinha que ser assim. Começava a deixar algumas lágrimas correrem por sua face.
- Não, não venha com essa historia de novo. Olhava nos olhos dela. - Porque eu sei que ela não é verdadeira.
- Jensen, tem tanta coisa acontecendo, que acho que foi melhor assim.
- Diga que me deixou porque não me ama mais e eu prometo me afastar. Olhava profundamente para os olhos dela.
- Eu, não consigo. Começava a chorar.
- Venha cá. A puxava para si, iniciando um abraço. - O tempo pode ter passado,mas eu nunca esqueci você, nunca esqueci seu sorriso. Dizia perto do ouvido dela. - Eu nunca deixei de te amar.
- Eu não acredito que isso está acontecendo. Pensava consigo mesma, enquanto chorava.
- Se algum dia eu te machuquei, ou se eu fiz algo errado, me perdoa. Afastava a cabeça de Ash de seu ombro, olhando nos olhos dela.
- Você não fez nada Jensen, quem lhe deve desculpas sou eu.
- Sabe, o que eu mais desejo, é ter você de volta. Acariciava a face dela. - Eu sei que nós podemos dar certo, se você quiser, nós podemos sumir daqui, fugir para um novo lugar, ter um recomeço.
- Se você soubesse o quanto eu queria isso. Escutava o Bip de seu celular e logo imaginava quem seria.

Vejo alguém passando por cima de uma ordem minha. Será que a quase morte da sua mãe já não foi o suficiente? Lembre-se, tudo está sobre sua responsabilidade. 
XoXo L.B. 
Ash Terminava de ler a mensagem.


- Está tudo bem? Percebia a cara de espanto dela.
- I'm Sorry Jensen, I'm sorry. Saía dali chorando, caminhando lentamente pelo jardim.
- Eu não vou desistir de você, não vou mesmo. Dizia em voz alta, fazendo Ash aumentar a intensidade de seu choro.
- Porque tem que ser assim? Entrava dentro de casa correndo, subindo as escadas rapidamente, entrando em seu quarto, olhando Jensen chorar pela Janela. - I Love You Too. Via ele se virar, saindo dali. - I Love You.  Via ele se distanciar e logo ficava com suas lembranças...
Share this article :

1 comentários:

  1. Aeee, amei o capítulo, finalmente as meninas tiveram coragem de jogar o nome da Lav na Roda. haha.

    Gente, morri com a Bri falando o negocio de Levanta e Anda. kkkkkkkkkkkkkk

    O Misha nessa biblioteca, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk e a Bri com ciúmes e ele tbm, ai eles vão ficar juntos, estou sentindo. :)

    Lav teve que ir na delegacia tripudiar em cima da Molly, ai que cena tensa, ela é muito fria. Novidade né.

    Essa cena final da Ash com o Jensen, me fez chorar, tadinhos, essa L.B. precisa ser descoberta, deixe a Ash ser feliz praga.

    ótimo capítulo, já ansiosa pelo próximo.

    ResponderExcluir

 
Support : Your Link | Your Link | Your Link
Copyright © 2013. Supernatural Family | Here's Your Family. - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger