Home » » Kill All The Secrets - Capítulo 2.20 - "The Proposal"

Kill All The Secrets - Capítulo 2.20 - "The Proposal"





Nome: Kill All The Secrets (Mate Todos Os Segredos).

Número de Temporadas: 3.

Capítulo: 2.20 - " The Proposal "

Classificação : 16 + - Contem cenas de violência,mortes,sexo,insinuações...

Gênero : Drama,Comédia,Mistério...

Autora: Laura.

Personagens: Ashley (Principal) Brittany (Principal) Nickole (Principal) Lavínia (Vilã) Molly (Coadjuvante) Henri (Principal) Jensen (Principal ) Jared (Principal) Misha (Principal) Ben (Secundário) Chad (Coadjuvante) Lilly (Secundário) Cecy (Secundário) Rene (Secundário) Annie (Secundário) ....

Sinopse: Após os últimos acontecimentos, Ashley, Nickole e Brittany, tem suas vidas viradas de cabeça para baixo, principalmente por terem testemunhado a morte de Lavínia, da qual agora são suspeitas. Como se não bastasse os problemas com a justiça, Ash se vê de frente com seu antigo amor, que volta disposto a tê-la de volta, Jensen sente que Ash está um pouco distante, isso o deixa inseguro, se deparando com uma situação onde as decisões não dependem apenas dele. Nick se sente vazia diante de todos os acontecimentos, principalmente em seu termino com Jared, a Chegada de Misha talvez possa mudar isso, ou apenas complicar tudo ainda mais. Bri como sempre prefere viver em seu mundo onde tudo gira em torno de homens, não que isso seja uma má ideia... Molly tenta usufruir dos bens de Lav, mas não esperava por uma surpresa nada agradável. O trio de amigas no final do primeiro capítulo, se veem de frente com algo que poderia ser julgado impossível de acontecer, quem é ela ? o que ela quer? A última pergunta eu posso responder, brincar com as "culpadas" da morte de Lav.

Considerações: Quando tiver o player nas cenas serão as músicas das cenas,acho que não tem necessidade de ficar colocando toda hora "música da cena",mas como este é o primeiro capítulo tudo Ok.Ainda Sobre as músicas,quando uma cena não tiver música,aproveite a música da cena passada (Até a cena que tiver um novo player),por que eu escolho as músicas pensando nisso.
Onde estiver Look (Exemplo,Look Ashley,Look Das garotas),vocês podem clicar para visualizarem a roupa dos personagens e os Personagens. Quando estiver Casa da Ashley,carro,escola,podem clicar para visualizarem o local onde a cena ocorreu !!!!

.........................................................................................................................................



2.20 - " The Proposal "
"A Proposta"


- Jared? Jensen se aproximava do amigo na sala da recepção, que chorava com as mãos no rosto. - O que aconteceu? Percebia Nick e Chloe tristes também.
- A Molly, ela morreu. Nick dizia.
- Ooh, eu sinto muito. Dizia surpreso. - E o Bebe? Perguntava receoso.
- Ele está bem. Jared olhava para ele. - Na verdade é ela e se chama Jade.
- Parabéns. Jensen se sentava ao lado do amigo, abraçando-o.
- Thanks.
- Você já a viu?
- Ainda não, eles estão examinando-a e depois vão a levar para o berçário, porque ela é muito prematura, ela vai precisar ficar na incubadora por um tempo.
- Mais ainda bem que o bebe está ok. Sorria. - Quanto tempo ela vai ficar aqui?
- Três semanas, no máximo Quatro. Nick se intrometia.
- E a Molly? O que acontece com ela agora?
- Nós temos que enterrá-la. Jared dizia ainda chorando. - Dar um fim digno para ela, mesmo ela tendo feito o fez, eu sentia arrependimento vindo dela quando a visitei.
- Eu vou voltar a Capital para avisar do acontecido e oficializar a morte dela. Chloe se levantava.
- Tem algum procedimento extra nesse caso? Nick olhava para Chloe. - Digo, por ela estar presa.
- Alguns, mas eu vou cuidar disso, basta eu ter uma cópia do atestado de óbito dela. Pegava sua bolsa na poltrona. - Eu vou deixar um número na portaria, assim que ficar pronto o atestado, por favor, me envie um fax...
- Ok. Nick dizia. - Boa viagem.
- Thanks. Limpava as lágrimas. - Jared, mais uma vez, meus sentimentos.
- Obrigado. Olhava para ela saindo dali.
- Jared, você quer que eu ligue para a Sharon? Jensen dizia receoso.
- Não, deixe a poeira baixar um pouco e eu vou ligar e contar tudo.
- Tem certeza?
- Tenho, ligar para ela agora a deixará preocupada, deixará meu Pai preocupado... Respirava profundamente. - É melhor eu ligar com calma e contar tudo de uma maneira menos chocante...
- É, conhecendo a Sharon como conheço, é melhor deixar para avisar depois. Jensen concordava. - E enquanto aos pais da Molly? Eles precisam saber.
- Eles já sabem, antes de sair da Delegacia a Chloe os avisou. Nick dizia.
- Como você sabe?
- Eu fiz essa mesma pergunta para a Chloe.


Look Jensen - Look Jared -  Look Nick - Hospital
...


- Bom, chegamos. Henri estacionava o carro no estacionamento do hospital.
- Bri. Ash dizia descendo do carro, levantando seu vestido.
- Sim. Descia acompanhada de Misha.
- Acho melhor você e o Misha esperarem aqui no carro.
- Porque? Os dois diziam juntos.
- Você sabe como a Nick é meia imprevisível, se ela ver vocês e ter um daqueles ataques de orgulho ferido?
- A Ash tem razão, melhor evitar confusão dentro do hospital. Henri concordava.
- Fine. Abria a porta do carro, voltando para dentro do mesmo junto de Misha.
- Caso esteja tudo bem lá em cima, eu aviso vocês. Henri saía correndo atrás de Ash.
- Awesome, eu sempre perco a parte boa de tudo. Bri bufava.
- Como? Misha dizia confuso.
- É que o Jared é meu amigo e amigos apoiam uns aos outros em momentos difíceis.
- Isso é um gesto bonito da sua parte. Sorria para ela.
- Thanks, mas isso não é nada além da minha obrigação como amiga. Olhava nos olhos dele. - Sabe, nós precisamos conversar e esclarecer algumas coisas...


Look Ash - Look Bri  - Look Henri  -  Look Misha


- Será que o bebe já nasceu? Henri dizia enquanto entravam no elevador do Hospital.
- Acho que já deu tempo para o bebe nascer. Ash dizia.
- Você acha legal eu te acompanhar? Digo, o Jared é amigo do Jensen, que deve estar ai e eu não quero causar confusão.
- Acho que não vai ter confusão entre vocês. Ash dizia um pouco incomodada.
- Porque você diz isso com essa certeza? Olhava para ela.
- Eu, preciso te contar algo. Olhava para ele, pelo espelho do elevador.
- O que você quer me contar? Sorria.
- Eu... Olhava nos olhos dele, percebendo o olhar apaixonado que o mesmo exibia. - Nada, deixa pra la... Olhava para baixo.
- Ash. A virava para si. - Pode dizer, sou eu...
- Eu ia dizer que adorei ter ido ao baile com você, apesar de ter durado pouco, foi bom... Inventava a primeira desculpa que passava pela sua cabeça.
- Eu adorei te acompanhar também. Sorria e logo a aproximava de si, iniciando um beijo, que a mesma interrompia ao escutar o barulho do elevador parando no andar escolhido. - Melhor nos irmos. Saía andando na frente, Henri ia logo atrás, com um olhar pensativo.
- Ash. Nick via a amiga se aproximar.
- Nick. Sorria. - O bebe já nasceu?
- Sim, é uma menina e se chama Jade.
- Que nome lindo. Percebia Jared com a cabeça baixa e Jensen sentado a seu lado, conversando bem baixo.
- O que aconteceu?
- A Molly, não resistiu e Morreu.
- Não. Ash se virava para trás, depositando sua cabeça no ombro de Henri, começando a chorar. - Ela não merecia morrer, eu tive culpa nessa morte.
- Ash. Henri passava a mão pelo cabelo dela. - Você não teve culpa, ninguém, além da Lavínia teve culpa.
- Eu poderia ter ajudado ela, eu achei que a verdade iria aparecer e que ela iria sair da cadeia... Dizia chorando.
- Não fique assim. Caminhava com ela até o sofá, ambos sentando nele. Nick olhava a cena de Longe e começava a chorar também.


....

Relembrando: Look Lav 


- Por Favor. Lav parava uma enfermeira qualquer no corredor. - Eu sou nova por aqui, na verdade eu estou substituindo uma amiga. Disfarçava a voz, para um tom suave,doce e meigo. - Eu gostaria de saber o número do quarto de Molly Mollyart, eu estava presente na cirurgia dela, mas tive que sair antes da hora, eu queria saber se ela está bem.
- Olha Senhorita. Olhava na credencial dela. - Mary Richmond, sinto muito informá-la, mas ela acabou não aguentando o parto e faleceu.
- OMG. Dizia espantada. - Coitada, também, foi um parto tão difícil.
- Estou com pena do bebe, vai crescer sem uma Mãe,vai ter que ficar na incubadora...
- Pois é, que triste. Tentava não rir. - Ela já foi para o necrotério?
- Sim, estamos esperando o perito chegar para fazer os procedimentos...
- E o Bebe? Já foi para o berçário?
- Sim, o pediatra deve estar examinando ele nesse momento, fazendo os exames necessários...
- Ok, obrigada pelas informações.
- Por nada. Sorria. - Até qualquer hora.
- Até. A via se distanciar e logo seguia caminho até o necrotério. - Hello? Tem alguém aqui? Empurrava a porta, entrando no local. - Awesome, vazio. Via alguns corpos cobertos com lençol branco em cima das mesas. - Molly Molly, você teve que morrer antes de eu te matar. Passava de mesa em mesa, levantando um pouco o lençol, olhando o rosto de cada um. - Mas isso não vai ficar assim. Encontrava o corpo da ex amiga. - Achei você. Gargalhava. - Como é a sensação de ser um pedaço de carne podre que foi descartada? Gargalhava novamente. - Espero que você esteja vendo isso do inferno e sinta a dor. Dava um forte tapa na cara do cadáver. - Eu sei que você por um lado deve estar comemorando por não ser eu a pessoa que te matou, mas saiba que ainda tem algo que eu posso fazer. Sorria cinicamente. - Bom, pensando bem, eu tenho que te agradecer, a única testemunha que podia me desmentir, está morta, está vendo, até Deus está do meu lado. Sorria. - Desejo uma eternidade de sofrimento para você, até nunca mais Vadia oportunista.
- A senhora precisa de alguma coisa Enfermeira Mary? O médico legista entrava no necrotério e logo olhava a credencial de Lav.
- Oh, não, eu só estava aqui, rezando para essa pobre alma. Fingia um choro. - Coitada,este mundo é tão triste,agora ela está morta,e deixou um bebe pequeno para criar.
- Eu sei,pobre criança. Abria sua maleta em cima de uma mesa vazia.
- Tão nova,imagina quantos planos interrompidos. Limpava as falsas lágrimas.
- Coitado do bebe,que nunca verá a risada da mãe,nunca saberá o que é afeto de mãe...
- Era justamente nisso que eu estava pensando. Se afastava do corpo de Molly. - Bom, com sua licença, eu tenho que ir.Tenha um bom serviço. Lav saia do necrotério.
- Desejo o mesmo para você também.
- Eu terei. Lav continuava andando pelo corredor até pegar o elevador, e descer no andar onde o berçário fica.  - Ah, não acredito que o berçário está vazio. Se aproximava, vendo o local vazio, quer dizer, apenas com alguns bebes. - O que eu posso dizer, até o universo conspira ao meu favor. Lav sorria cinicamente entrando na sala, parando de frente para um espelho.





- Até com essa roupa de pobre, eu continuo sexy, gostosa, perfeita, maravilhosa, sabe que se tivesse como, eu me beijaria. Jogava beijo para si mesma. - Te vejo depois, gatona gostosa. Lav saía de frente do espelho e começava a  olhar a identificação de alguns bebes na Encubadora.
- Deus que me livre, todo bebe tem uma cara de velho que chupou limão. Fazia cara de nojo. - Achei. Lia o Nome Molly Mollyart na Identificação. - Jade? Gargalhava. - Não tinha nome melhor? Vai ser um favor acabar com esse filhote de anta. Abria a incubadora.
- Sabe Jadinha. Gargalhava, vendo o bebe dormir. - Isso que eu vou fazer, será um favor, tenho certeza que você vai puxar a sua Mãe e agente não pode deixar a raça das parasitas se procriar, encare isso como um favor. Olhava para o bebe, pegando um travesseiro perto de si. -  Ai, você é um bebe muito feio, credo, parece aqueles pererecas de beira de brejo, as perninhas são a mesma coisa. Lav ainda sorria. - OMG, agora que eu percebi, você é a cara de um Gremlin. Gargalhava. - Bom, que você encontre sua mãe, onde quer que ela esteja. Lav depositava o travesseiro no rosto de Jade, que iniciava um choro abafado, que não dava para ser escutado muito bem. O bebe começava a bater as perninhas, tentando respirar, até não conseguir mais e morrer, por asfixia. - Mas já morreu? Olhava o bebe com cara de nojo. - Nem teve graça. Fechava a incubadora e colocava o travesseiro onde pegou. - Até nunca mais Baby Gremilin. Saía dali.


...


- Misha. Bri acenava para ele. - Você está escutando o que eu estou dizendo? Nós precisamos esclarecer algumas coisas. Percebia ele com o olhar parado. - Misha?
- Oh Yeah, vamos esclarecer o que você quiser. Piscava para ela.
- Misha, porque você está me olhando com essa cara de tarado? Abria a porta do carro. - E eu ainda pergunto. Descia do carro sensualmente.
- O que você está fazendo? Via ela abrir o Zíper lateral do vestido, deixando o mesmo cair no chão, ficando apenas de Lingerie.
- O que você acha? Mordia os lábios levemente, caminhando sensualmente até a porta da frente do carro, abrindo-a, logo ligando o som do automóvel, começando a dançar sensualmente para ele.



Look Bri


- Oh My God. Percebia algo dar sinal de vida enquanto olhava os sensuais movimentos de Bri, sincronizados com a música.
- Posso saber o que está acontecendo aqui? O segurança do estacionamento aparecia.
- Não está acontecendo nada demais. Bri se virava para trás piscando para ele.
- Uau. A Admirava.
- Você gostaria de participar? Bri se aproximava dele.
- Não precisa perguntar. A puxava para si, iniciando um beijo.
- Misha. Bri se virava para ele, se agachando, engatinhando até o mesmo.
- Você é tão linda. A via olhar para si.
- Você tem certeza que quer fazer isso? Desabotoava seu soutien.
- Eu tenho. A puxava para si, começando a beijá-la. Misha deslizava suas mãos pelo corpo de Bri, que soltava leves gemidos de prazer...

- Misha? Hello? Bri estalava os dedos na frente do mesmo .
- Hã? O que aconteceu? Sacudia a cabeça.
- Sabe, estou começando a achar que você é algum psicopata ou algo do tipo, porque você fica me olhando com esse olhar...
- Me desculpe. Olhava para ela.
- Como eu ia dizendo, nós precisamos conversar.
- Eu também acho.
- Olha, eu não sou de ficar dando voltas até chegar ao assunto principal, então eu vou ser direta como sempre. Dizia rapidamente. - O que está acontecendo entre nós?
- Como? Dizia surpreso.
- Misha, não adianta negar, nós temos uma química, eu sei que você olha para mim quando eu estou distraída, o beijo que aconteceu mais cedo, não foi um beijo qualquer, você o queria...
- Isso foi um erro, eu gosto da Nick.
- Se você gosta dela, porque me olha com olhos de quem tem desejo?
- Por que você... Tentava pensar em algo. - Você me provoca, você é sensual, você desperta meu interesse.
- Viu, você acabou de assumir que eu desperto seu interesse, se você amasse a Nick, não iria pensar em mim dessa maneira.
- E a Nick? Eu não posso magoar ela...
- Você e a Nick precisam conversar... Olhava para baixo.
- Eu sei, o que aconteceu mais cedo...
- Não, o que aconteceu mais cedo quem tem que conversar com ela sou eu...
- Então porque eu preciso conversar com ela?
- A Nick mesmo não admitindo isso por algum tempo, ela sempre amou o Jared... Olhava para ele. - Vocês dois estão apenas se enganado, você não gosta dela, o que você sente por ela é gratidão por ela te mostrar que você pode ter uma vida mesmo depois de uma grande tragédia. Abria a porta do carro. - Oh God, não deveria ter falado isso. Se virava para sair.
- Espera. A segurava pela mão.
- Não Misha, não precisa dizer nada, eu é que fui uma tola e me deixei levar, mas tudo bem, isso não vai me matar...
- Não diga Isso. Olhava nos olhos dela. - Você está certa, eu me sinto atraído por você, eu gosto de estar perto de você. A via sorrir e logo se aproximava, iniciando um beijo, um beijo sereno, mais ao mesmo tempo intenso e cheio de segundas intenções.


...


- Nick. Ash conversava com ela em pé, um pouco distante do sofá onde Jensen,Jared e Henri estavam sentados. - Você e o Jared? Conversaram?
- Não, foi tudo tão rápido, ele veio aflito no carro, eu inclusive tive que dirigir...
- E a Bri? Misha? Ash perguntava com um certo medo da resposta.
- Ai, sabe que foi bom isso acontecer, digo, assim ele não vai sofrer quando eu terminar com ele.
- Então você não está chateada com isso?
- Não.
- Eu preciso te contar algo. Olhava um pouco envergonhada para Nick.
- O que? Olhava para ela.
- Eu e o Jensen nos beijamos e eu me declarei para ele. Dizia bem baixinho.
- Ash, Oh My Godness.
- Eu sei que não deveria, mas eu não consegui mais resistir.
- E o Henri...
- Eu não sei, não sei o que fazer, eu até tentei contar quando chegamos aqui, mas não consegui...
- Você recebeu alguma mensagem da L.B.?
- Não.
- Ainda bem, mas você sabe que ela pode contar...
- Acho que ela não viu, não tinha ninguém perto.
- Não confie na sorte,você sabe que a L.B. é bem mais esperta do que tudo.
- Eu sei, e já aconteceu tanta coisa, e a L.B. está tão silenciosa...
- E isso é bom?
- Depende. Escutavam o Bip de seus celulares, pegando-os dentro de suas bolsas.

"Ooh,Ooh, não é estranho essa demora por mais notícias sobre o Bebe? Dizem que notícia ruim chega logo, mas nesse caso, está levando uma eternidade". XoXo L.B.

- Não sei. Tentava não pensar no pior.
- E eu tinha que dizer que estava estranhando a ausência dela...
- É, bem que dizem, pensamento negativo, atrai coisas ruins...  Via Nick Dr. Rupert se aproximar.



- Jared. Rupert Olhava para baixo.
- Sim. Via Ash e Nick se aproximarem.
- Eu não tenho uma notícia boa para lhe dar, para falar a verdade, eu nem sei como dizer isso...
- O que aconteceu? Se levantava com os olhos brilhando, de lágrimas. - Foi minha filha? Como ela está?
- Nós levamos ela para o berçário, o Pediatra de plantão a examinou e disse que estava tudo bem, que mais algumas semanas na incubadora e ela já estaria pronta para ir embora...
- OMG. Ash olhava espantada para a face de Nick, que arregalava os olhos.
- Nós deixamos ela sozinha por um instante e assim que a enfermeira foi verificá-la, ela estava morta.
- Não. Jared começava a chorar. - Isso não podia acontecer.
- Desculpe Jared, ela foi um bebe prematuro e não conseguiu sobreviver, casos assim são normais...
- Eu nem cheguei a vê-la. Olhava para Ash, que se aproximava, o abraçando.
- Eu sinto muito. Dizia perto do ouvido dele.
- Eu sempre recusei esse bebe, isso deve ser castigo, por desprezar ...
- Não diga isso, Deus não castiga ninguém. - Ela agora deve ser um lindo anjinho ao lado de Deus, tenho certeza que ela vai olhar por você. Se afastava, caminhando até o sofá, se apoiando em Henri.
- Eu... Nick olhava para ele. - Sinto muito. Se aproximava dele.
- Eu sei que sente. A abraçava.
- Eu juro que se pudesse, te livraria de passar por isso.
- Mas não pode. A afastava de si.
- Eu vou mexer com a papelada das mortes, você não está em condições...
- Obrigado. Sorria.
- Henri. Nick o chamava. - Será que você poderia me ajudar?
- Humm. Olhava para Ash, que confirmava balançando a cabeça. - Claro. Se levantava, saindo dali acompanhando Nick. - Posso te fazer uma pergunta? Olhava para ela.
- Diga. Olhava para ele.
- Você gosta do Jared certo? Por que razão ainda namora o Misha?
- É complicado, o Jared me magoou e eu só consegui deixar isso para trás agora,  não sei porque, mas eu não sei lidar com mentiras, decepções, traições, eu queria ser diferente nessa questão, já até tentei mudar mas eu não consigo.
- Posso te fazer outra pergunta?
- Sobre a Ash? Paravam no corredor, um de frente para o outro.
- Yeah, eu estou sentindo ela distante, um pouco fria...
- Deve ser impressão sua. Voltavam a caminhar.
- Não, acho que não...
- Olha, acho que você deve perguntar isso para ela, mesmo que estivesse acontecendo algo, eu não iria dizer...
- O problema é que eu já perguntei e ela não me respondeu..
- Se ela não te respondeu, é porque nada está acontecendo... Via Dr. Rupert se aproximar.

- Dude. Jensen se aproximava do amigo. - Meus sentimentos. O abraçava.
- Thanks. Ainda chorava.
- Eu sei que você tem todo o direito de chorar, mas não fique assim, pense que ela foi para um lugar melhor, que isso aconteceu para o melhor...
- Eu nunca pensei que iria ter que enterrar um filho. Tentava parar de chorar.
- Nós estamos aqui com você. Jensen olhava para ele. - O que precisar, pode contar com nossa ajuda.
- Ela era só um bebe, não podia morrer...

....

- Misha. Bri interrompia o Beijo, o afastando de si. - É melhor pararmos.
- Por que? Olhava para ela...
- Você tem certeza desse beijo? Eu não quero depois ter que me arrepender...
- Sabe,depois que você falou isso da Nick, minha ficha caiu, ela está distante de mim e não é porque estava estudando ou ocupada, ou querendo passar tempo com os pais, ela está distante porque está afim do Jared novamente, a ferida que ele casou nela deve ter cicatrizado.
- Achei que você perceberia isso sozinho, no seu inconsciente. Sorria.
- Agora é sério, eu vou depois conversar com ela e colocar um ponto final na nossa historia.
- Vai ser melhor assim.
- Se depois que eu conversar com ela, você estiver disposta em... Dizia um pouco envergonhado.
- Em te conhecer melhor? O interrompia, vendo ele confirmar balançando a cabeça positivamente. - Sim, eu estou disposta. Sorria.
- Amanhã então, eu vou ver se consigo conversar com a Nick.
- Ok, eu vou fazer isso agora. Bri saía do carro. - Você quer vir?
- Acho melhor eu ficar te esperando.
- Fine. Saía rapidamente dali, entrando na recepção do hospital, vendo Nick conversar com Dr. Rupert, sentada em um banco. - Nick. Acenava para ela, que se levantava, caminhando até a amiga. - Aconteceu alguma coisa? Percebia o olhar triste da amiga.
- A Molly e a Filha do Jared morreram.
- Ooh, sinto muito, como ele está?
- Está meio que em um estado de choque, super quieto.
- Eu vou lá dar um abraço nele.
- Espera, você não me chamou só para isso.
- Eu vim ver se você estava chateada comigo, pelo ocorrido com o Misha...
- Bri, eu sei que você é impulsiva e jamais faria algo por maldade...
- Então está tudo bem? Sorria.
- Claro que está. Olhava para ela. - Você realmente gosta dele certo?
- Gosto, ele tem algo que me atrai, sabe,é algo inexplicável...
- É bom saber disso, porque na hora que eu terminar com ele, você vai estar por perto...
- Thanks por me apoiar. Sorria.
- Por nada, agora vai lá apoiar o Jared que ele está precisando.
- Eu vou levar o Misha até o apartamento dele e depois eu volto para ficar com vocês.
- Ok, faça isso, acho que assim será  melhor.
- Fine, caso o Henri procure pelo carro, diga que está comigo. Se virava. - Volto logo. Saía rapidamente dali.

...



- Como você está se sentindo com  isso tudo? Ash se aproximava de Jensen sentado no sofá, enquanto Jared havia saído para ir até o berçário...
- Eu penso que isso foi para o melhor, o Jared é muito novo, tem tanto a viver e um filho agora...
- Também penso assim, um filho é uma responsabilidade tão grande.
- Achei que você iria recriminar o que eu disse.
- Mesmo sendo difícil, triste... Você tem toda razão, um filho é algo para o resto da vida...
- Você tem vontade de algum dia ter um?
- Sabe, quando eu era criança, era um dos meus grandes sonhos, crescer, me casar, ter filhos...

- E agora?
- Eu evito sonhar, porque toda vez que eu sonho, ou toda vez que eu tento realizar algum sonho, eu caio, de uma maneira que machuca tanto...
- Mais as quedas nos ajudam a ficar mais fortes...
- Mas destrói boa parte de nós, serve para aumentar frustrações,medos. Olhava nos olhos dele. - Mas respondendo sua pergunta, eu nunca mais pensei no assunto, talvez, algum dia, no futuro eu queria ter um filho, no momento eu só quero resolver meus problemas.
- E eu faço parte do seu futuro?
- Acho que isso apenas Deus pode te responder. Se levantava.
- Espera. Segurava nas mãos dela. - Eu não entendo, em um momento você diz que em ama e no outro...
- Eu amo você e isso não é mentira. Olhava nos olhos dele. -  Não duvide do meu amor nem por um segundo, tudo que eu te disse mais cedo, é a mais pura verdade. Se virava para o lado, vendo Jared voltar do Berçário. - Então, como foi? Dizia cautelosamente.
- O bebe era muito pequenino, um pouco maior que a palma da minha mão. Deixava algumas lágrimas cair.


Look Lav


- Jared querido,eu fiquei sabendo da Molly,meus sentimentos. Lav aparecia na maior cara de pau.
- Como você ficou sabendo? Olhava para ela.
- Ué, eu escutei a hora que você atendeu o celular no Baile, depois de muito pensar, eu resolvi vir aqui mostrar minha solidariedade e para minha surpresa, ao perguntar na recepção o número do quarto dela, me informaram o ocorrido.
- Ok Lav, mas eu não preciso da sua presença aqui.
- Ai, que grosso. O olhava cinicamente.
- O que essa vagabunda faz aqui? Jensen cochichava com Ash, que se aproximava dele.
- Lav. Jared olhava para ela. - Sério, é melhor você se virar e sair pelo mesmo lugar que entrou.
- Pena que eu não estou afim de fazer isso. Olhava para Jensen e Ash. - Vejo que você está caindo no papo dessa Piranha sarneta novamente. Se aproximava deles.
- A única piranha desse estabelecimento é você. Jensen dizia.
- Ah, mas não era isso que você pensava quando me beijou. Gargalhava.
- Eu nunca te beijei, você sim que se aproveitava de toda oportunidade, aproveitava da nossa amizade, aproveitava do respeito que eu tinha por você.
- Seu ingrato. Gritava. - Se não fosse por mim, você estaria morando debaixo da ponte catando latinhas no lixão seu mal agradecido.
- What? Jensen dizia mais do que surpreso.
- A série foi cancelada pela incompetência sua e do Jared, eu dei uma chance de vocês terem uma vida aqui em East St. Louise, uma vida que vocês desejavam ter,e é assim que você mostra seu agradecimento? Nunca mais faço caridade aos necessitados, agente é boa com as pessoas, e elas te apunhalam pelas costas. Se fazia de coitada.
- Cala essa sua boca. Jared se intrometia.
- Não se faça de ofendido, porque vocês sabem que jamais conseguiriam seus empregos sem minha ajuda.
Olhava para Ash. - E é assim que você me agradece, ficando ao lado dessa vadiazinha.
- Olha aqui seu projeto de ratazana de esgoto. Ash apontava seu dedo para ela. - Deixe de ser ridícula por pelo menos alguns instantes, será que você não percebe que todos aqui estão sofrendo, será que você é incapaz de respeitar a dor das pessoas?
- Falando em respeito, será que o Henri já sabe desse assanhamento de vocês dois? Dizia pensativa.
- Cala a boca. Ash se aproximava da Vadia,dando um forte tapa na cara dela.
- Ashley, calma. Jensen a abraçava de lado, tentando acalmá-la.
- Se você acha que isso vai ficar assim. Levava a mão até onde o tapa foi dado. - Eu sei que o Henri está por aqui, porque vi ele na recepção, bom, estou indo contar o que eu acabei de ver. Saía dali.
- Aahhhh, mas não vai mesmo. Ash corria atrás dela, que entrava rapidamente no elevador. - Bitch. Dizia enquanto esperava o elevador do lado abrir. - Thank God. Via o elevador se abrir, entrando nele, descendo no térreo o mais rápido possível. - Procurando alguém? Ash via Lav olhar para os lados, procurando Henri.
- Não é possível que ele sumiu, que ódio. Gritava. - Ahh, mas quando eu contar que vi você aos beijos com seu amante.





- Sai daqui. Ashley gritava com ela e as pessoas que ali estavam, direcionavam seus olhares para ela.
- Cala a boca,está todo mundo olhando. Lav dizia envergonhada.
- Sai, some daqui. Começava a empurrá-la até a porta de saída. - Some daqui, eu tenho nojo de você, nojo da sua inveja.
- Quer saber. Olhava cinicamente para ela. - Eu estava planejando fazer isso um pouco mais a frente, mas...
- Planejando o que querida? Respondia no mesmo cinismo.
- Como eu te disse fofinha. Se aproximava do ouvido dela. - Se eu não posso ter o Jensen,você também não terá.
- Você é doente. Dizia incrédula.
- Não querida,não sou doente. A olhava friamente. - Você sabe que eu sou capaz de tudo, seu pai é prova viva, ou melhor, morta disso. Gargalhava. - Chad também, minha Mãe, meu Pai, o Henri também quase entrou na lista, sim, a historia que ele te contou quando voltou é verdadeira, quem mandou aquele SMS foi eu e o acidente que ele sofreu, foi graças ao pequeno e discreto corte que eu fiz no freio do carro dele.
- OMG. Sentia uma leve tontura...
- Você sabe que eu não sou uma mulher de ameaças e sim de atitudes, então. Sorria. - Eu  quero que você se sacrifique pelo Jensen, Henri, Nick,Bri e sua Mãe.
- What? Dizia mais espantada ainda.
- Fofa,chega de te aguentar,não importa o que eu faça,você nunca se dá mal,eu já cansei,dessa vez eu vou matar a pessoa certa. Dizia com um certo ódio no olhar
- Você ficou maluca.
- Olha,minha proposta é boa,você se sacrifica e todo mundo vive feliz para sempre.
- Eu não vou me matar. Dizia sem saber o que pensar.
- Então,sinto muito,mas você vai ficar sozinha. Lav dava um Tchauzinho se virando ir embora.
- Você é que pensa, eu vou te colocar na cadeia. Gritava.
- Pode me colocar, isso não vai me impedir de matar todas as pessoas que você gosta, eu tenho meus contatos e posso contratar um terrorista se quiser para matar todos desta cidade. Jogava seu cabelo para trás, saindo dali.
- Espera... Ash dizia com um olhar parado, tentando não chorar.
- Humm,assim está melhor... Lav se virava.
- Qual a garantia que eu tenho que depois da minha morte todos ficarão bem?
- Pra que eu vou querer machucá-los sendo que meu alvo principal não vai estar aqui para ver ? Sorria. - Ashley,você pode não acreditar mas eu sou uma mulher de palavra.
- Eu...eu...eu aceito. Ash dizia deixando algumas lágrimas cair.
- Sabia que você não seria tão idiota assim,ah, como é lindo o Altruísmo. Lav sorria cinicamente.
- Quando?
- Por mim, poderia ser agora. Gargalhava. - Mas iria ficar muito óbvio e eu preciso acertar alguns detalhes. Dizia pensativa.  Amanhã, ao anoitecer. Lav se aproximava do ouvido de Ash, dizendo alguns detalhes em voz baixa.
Share this article :

1 comentários:

  1. Assim né, pra variar, estou passada com o Cap.

    Medo eterno da Lav, como ela teve a coragem de matar o baby do Jay? Gente, que monstra.

    Gostei de ver Misha e Bri se acertando, torcendo por eles.

    Ash ia contar pros henri, ai gente, isso não vai acabar bem. kkkkkkkkkkk Conte logo antes que né...
    Jensen e Ash tão muito fofos, estou realmente torcendo por eles.

    Lav teve que ir no hospital depois de tudo, gente, ela é doente, sério mesmo. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Pior vilã ever.

    E essa cena final? Gente, a Ash não pode morrer, to com medo, como que vc termina o Cpas assim Laura? kkkkkkkkkkkkk To morrendo de ansiedade aqui.

    Ansiosa para semana que vem.

    ResponderExcluir

 
Support : Your Link | Your Link | Your Link
Copyright © 2013. Supernatural Family | Here's Your Family. - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger