Home » » Kill All The Secrets - Capítulo 2.21 - " You Don't Should Do That "

Kill All The Secrets - Capítulo 2.21 - " You Don't Should Do That "





Nome: Kill All The Secrets (Mate Todos Os Segredos).

Número de Temporadas: 3.

Capítulo: 2.21 - " You Don't Should Do That "

Classificação : 16 + - Contem cenas de violência,mortes,sexo,insinuações...

Gênero : Drama,Comédia,Mistério...

Autora: Laura.

Personagens: Ashley (Principal) Brittany (Principal) Nickole (Principal) Lavínia (Vilã) Molly (Coadjuvante) Henri (Principal) Jensen (Principal ) Jared (Principal) Misha (Principal) Ben (Secundário) Chad (Coadjuvante) Lilly (Secundário) Cecy (Secundário) Rene (Secundário) Annie (Secundário) ....

Sinopse: Após os últimos acontecimentos, Ashley, Nickole e Brittany, tem suas vidas viradas de cabeça para baixo, principalmente por terem testemunhado a morte de Lavínia, da qual agora são suspeitas. Como se não bastasse os problemas com a justiça, Ash se vê de frente com seu antigo amor, que volta disposto a tê-la de volta, Jensen sente que Ash está um pouco distante, isso o deixa inseguro, se deparando com uma situação onde as decisões não dependem apenas dele. Nick se sente vazia diante de todos os acontecimentos, principalmente em seu termino com Jared, a Chegada de Misha talvez possa mudar isso, ou apenas complicar tudo ainda mais. Bri como sempre prefere viver em seu mundo onde tudo gira em torno de homens, não que isso seja uma má ideia... Molly tenta usufruir dos bens de Lav, mas não esperava por uma surpresa nada agradável. O trio de amigas no final do primeiro capítulo, se veem de frente com algo que poderia ser julgado impossível de acontecer, quem é ela ? o que ela quer? A última pergunta eu posso responder, brincar com as "culpadas" da morte de Lav.

Considerações: Quando tiver o player nas cenas serão as músicas das cenas,acho que não tem necessidade de ficar colocando toda hora "música da cena",mas como este é o primeiro capítulo tudo Ok.Ainda Sobre as músicas,quando uma cena não tiver música,aproveite a música da cena passada (Até a cena que tiver um novo player),por que eu escolho as músicas pensando nisso.
Onde estiver Look (Exemplo,Look Ashley,Look Das garotas),vocês podem clicar para visualizarem a roupa dos personagens e os Personagens. Quando estiver Casa da Ashley,carro,escola,podem clicar para visualizarem o local onde a cena ocorreu !!!!

.........................................................................................................................................



2.21 - " You Don't Should Do That "
"Você Não Deveria Ter Feito Isso"




Estamos aqui, reunidos nesta manhã, para nos despedir de um ser humano querido por uns, odiado por outros, mas que podem ter a certeza, teve sua importância na vida de cada um. Uma jovem mulher e um bebe, que nesse exato momento estão debaixo da proteção de Deus. Não posso imaginar quão difícil deve estar sendo para os amigos, familiares e conhecidos, lidarem com essas duas perdas. Uma criança, que não chegou a conhecer a palavra viver. De uma coisa podem ter certeza, os planos de Deus são maiores que qualquer acontecimento ruim e é nisso que nós temos que acreditar. Um bebe prematuro, sem Mãe... Talvez seja algo forte para se dizer, mas quem sabe isso não aconteceu para o melhor? Bom, aqui ficam meus sinceros desejos de Descanse em Paz". O novo Padre de East St. Louise terminava seu discurso no funeral de Molly e Jade,jogando um flor em cima da lápide gramada,cumprimentando Jared e logo em seguida, os Pais de Molly,que estão um pouco afastados.

Cemitério - Look Ashley - Look Henri - Look Nick 


- Eu estou com tanta pena dos Pais da Molly. Ash dizia abraçada em Henri,vendo os mesmo chorar.
- Deve ser difícil perder alguém que você ama para sempre.
- Eu sei. Ash começava a chorar ao escutar as palavras de Henri, que lhe lembrava o trato feito com Lav...
- O Jared também está devastado. O Via ajoelhado perto da lápide da filha. - Nick. Se irava para a amiga. - Você não deveria consolá-lo?
- Eu já tentei, mas ele não me escuta.
- Posso?
- Se ajudar ele, claro. Limpava uma lágrimas que corria por seu rosto.
- Ok. Saía dali, caminhando até Jared, se agachando perto dele. - Jared, você não pode ficar arrasado desse jeito, isso não vai te fazer bem. O abraçava de lado.
- Eu recusei esse bebe tanto...
- Não pense assim.
- Isso é castigo, quando eu o aceitei,ele se foi. Chorava. - Sabe, eu fiquei tão entusiasmado com a ideia de ser Pai quando me ligaram do Hospital...
- Eu já disse, Deus não castiga ninguém, o bebe era prematuro, isso talvez aconteceu pela própria ordem da natureza, o impedindo de sofrer, de ter alguma deficiência.
- Talvez você tenha razão, mas é difícil aceitar.
- Jared, você é tão novo, tem tanta coisa ainda para viver, você um dia será um Pai maravilhoso, no tempo certo, acredite.
- Ela tem razão dude. Jensen se agachava ao lado do amigo. - Pode parecer difícil agora, mas depois vai ficar fácil e você vai perceber que foi para o melhor.
- Para o melhor? Como uma morte é para o melhor? Olhava para o amigo.
- Não me entenda errado, mas como seria sua vida com um bebe? Ele não teria Mãe, você teria que trabalhar para sustentá-lo, seria apenas você, tendo que cuidar de tudo sozinho. Olhava para Ash.


Look Jensen - Look Jared - Look Bri - Look Misha

- É horrível ver o Jared nesse estado. Nick dizia perto de Bri, que estava com sua cabeça apoiada no peitoral de Misha, ao lado de Henri.
- Ele vai superar isso, tenha certeza. Bri olhava para os lados, percebendo algumas pessoas cochichando sobre sua pessoa.
- É impressão minha ao eles estão falando de você? Henri comentava com Bri.
- Não é impressão sua... Misha escutava um " Que bando de sem vergonhas..."
- Bri, o que você vai fazer? Nick via a amiga se virar para trás.
- Que surpresa ver a Senhora Dona Elza por trás desses comentários sujos e sórdidos. Sorria cinicamente para ela.
- Que isso Brittany, eu não estou falando nada.
- Não venha fazer o papel de sonsa querida, a sua vida se resume a cuidar do que os outros fazem ou deixam de fazer, talvez seja porque sua vida é tão perfeita, que esteja sobrando tempo... Pensava um instante. - Oh não, espera, está longe de ser perfeita, já que o seu filho é um drogado que vive cometendo pequenos delitos e o seu marido é um safado sem vergonha que não pode ver mulher que tem que mexer. A via com uma cara surpresa. - Avisa para ele, que nessa idade é perigoso tomar viagra, o coração não aguenta ter que bombear tanto sangue. Sorria cinicamente. - Um conselho, se você se preocupasse em tomar conta da sua vida, te garanto que a Senhora não estaria descobrindo essas coisas agora. Sorria cinicamente novamente, vendo a mesma sair dali envergonhada. - Mais alguém? Bri olhava para algumas pessoas que estavam perto dela. - Garanto que eu posso contar da vez que a Dona Georgia dormiu com o vizinho. Apontava para uma outra velha que estava de mãos dadas com o marido. - Ou da Filha do Senhor Taylor que tem um caso com o melhor amigo dele. Percebia o grupinho começar a se distanciar. - Acho melhor assim, vocês não tem nada a ver com a minha vida ou com quem eu fico,namoro,faço sexo, então não atire pedra se seu telhado é de vidro.
- Bri. Nick dizia chocada.
- Sim. Se virava naturalmente, como se nada tivesse acontecido.
- Você percebeu que isso é um enterro e que quase todos foram embora com isso?
- Não estou nem ai, se querem falar de mim, terão que ter uma vida digníssima.
- Pelo menos acho que ninguém nunca mais vai falar nada. Henri dizia rindo.
- Esse é o mal das pessoas, se preocupam tanto com os outros, que acabam esquecendo de preocupar com suas próprias vidas. Misha dizia.
- Eu vou dar minhas condolências aos Pais da Molly. Nick saía de perto deles, caminhando Até Arnold e Beth Mollyart.
- Nickole. Olhavam para ela. - Obrigado por ter vindo no enterro da nossa filha. Beth dizia.
- Que isso, vocês não tem que me agradecer, eu sinto muito pela perda de vocês.
- Thank You. Diziam juntos. - Sabe, estou até surpresa com pessoas vindo no enterro da nossa filha, ela nunca teve muitos amigos, sempre esteve envolvida com a Lavínia, que todos odeiam e ainda teve a condenação dela...Beth sorria.
- O mal da Molly foi ter se juntado com a Lav, que nunca prestou.
- Eu sei, nós fomos embora da cidade porque a Lav comprou nossa casa e nos despejou...
- Uau, não sabia disso Senhor Arnold.
- Nossa filhinha se perdeu tanto que acabou matando...
- Mas ela não... Nick pensava melhor e resolvia não dizer o resto da frase. - Digo, tenho certeza que Deus irá perdoá-la.
- Eu vou rezar para isso acontecer. Beth dizia. - Bom, se você nos der licença, nós viajamos a noite toda e estamos cansados, tudo que queremos é dormir um pouco...
- Tudo bem, bom descanso para vocês. Via eles saírem dali e logo caminhava lentamente até Jared, Ash e Jensen .



- Jared, vamos, levante. Ash o puxava, tentando fazer o mesmo se levantar. - Todos já foram, você não pode ficar aqui.
- Minha filha. Dizia chorando,passando sua mão pela grama.
- Jensen, ele não pode ficar nesse estado, isso não vai fazer bem a ele. Ash cochichava.
- E o que nós vamos fazer? Gesticulava.
- Jared, me escute, você precisa ir para casa,comer algo,descansar, você ficar se lamentando pelo destino, ou por coisas que você jamais vai conseguir mudar, apenas irá lhe fazer mal.
- Ela tem razão Jared. Nick se agachava de frente para ele, levantando a face dele. - Você precisa dormir e se alimentar, até agora você não comeu nada.
- Porque vocês estão nessa preocupação toda? Não foi nenhum de vocês que perdeu um filho...
- Porque que a Molly morreu e como você mesmo disse, seu filho também, isso não quer dizer que sua vida tem que acabar também, pare de agir feito um idiota, levante essa cabeça, ficar chorando por algo que não vai mudar não irá te levar a lugar algum.
- Nick. Ash olhava espantada para ela.
- Não, nada de Nick, os dois morreram e pronto, fim da historia, hora de virar a página desse capítulo, se fosse da vontade de Deus, algum deles estaria vivo...
- É. Jared olhava um pouco assustado para Nick. - Acho que vocês tem razão,eu preciso comer algo. Se levantava um pouco zonzo.
- Finally. Jensen dizia aliviado. - Ash, você poderia levar ele até em casa? A dispensa está vazia e eu vou comprar algumas coisas...
- Tudo bem, pode deixar que eu levo ele. Sorria.
- Não precisa me levar, eu vou sozinho. Jared dizia.
- Nada disso, você não dorme a quase um dia e não eu quero que nada de ruim aconteça. Jensen dizia preocupado.
- Fine. Entregava a chave do seu carro para Ash.
- Bom,então já vou indo, até depois. Jensen saía dali olhando para Ash.
- Bye. Ash sorria para ele. - Você vem Nick?
- Não, eu vou conversar com o Misha agora e ...
- Já sei, então tome. Retirava a chave de seu carro da bolsa. - Fique com a chave do meu carro e depois eu encontro com você e a Bri na sua casa.
- Ok, até depois. Pegava a chave das mãos de Ash.
- Ash. Henri se aproximava dela. - Acabaram de me ligar do Campus, eu vou ter que ir para lá cobrir os horários de um professor que faltou, tudo bem?
- Mas você não estava de folga?
- Estava, até agora.
- Tudo bem, posso passar no seu apartamento mais tarde?
- Que pergunta, claro que pode.
- Thanks. Dava um selinho nele e logo saía dali na companhia de Jared.
- Ash, espera, eu vou acompanhar vocês até o lado de fora. Bri gritava indo atrás dos dois,deixando Misha e Nick a sós...

- Misha. Nick se aproximava dele, que estava encostado debaixo de uma árvore.
- Hi. Dizia um pouco apreensivo. - Ainda bem que você me procurou, nós temos que conversar.
- Eu concordo. Parava de frente para ele.
- Bom, antes de tudo, eu quero lhe pedir desculpas pelo o ocorrido de ontem e...
- Misha, não precisa se desculpar por nada, se for assim, eu lhe devo desculpas também. Olhava nos olhos dele.
- Porque? Olhava inocentemente para ela.
- Porque eu nunca deixei de amar o Jared. Dizia envergonhada. - Quero dizer, eu gostei de você, mas não da mesma maneira que eu amo o Jared, entende? Você foi uma pessoa importante na minha vida, me ajudou em um momento onde eu me senti sozinha, onde eu me senti traída e eu acabei me aproximando de você...
- Eu entendo Nick, um grande amor, por mais que nós queremos, não morre assim tão fácil, demora muito para tudo ser superado.
- No meu caso, eu não consegui superar o Jared, eu estava magoada com as mentiras dele sabe e descobrir tudo pela pessoa que você não suporta, é pior ainda.
- Bom, ainda bem que você conseguiu deixar tudo isso para trás. Sorria. - Eu quero que você saiba que lhe sou grato por me ajudar a superar a morte da minha falecida esposa, por me mostrar que eu posso seguir em frente, por me mostrar que a vida pode ser bela depois de acontecimentos ruins e principalmente por me mostrar que o amor pode nascer novamente e que isso de maneira alguma é errado.
- Ai. Nick limpava uma lágrima que corria por sua face. - Eu não quero chorar.
- Thank You. Sorria para ela, se aproximando e iniciando um abraço.
- Desejo do fundo do meu coração que você e a Bri sejam felizes juntos. Dizia perto do ouvido dele.
- É o que eu mais quero, porque eu me sinto tão próximo dela, tão bem perto dela, sabe aquela coisa de nada mais importar quando você está do lado da pessoa que te faz bem?
- Você está apaixonado por ela. Se afastava, olhando nos olhos dele. - Eu fico feliz por vocês dois,A Bri por baixo de todo esse jeito doido e maluco,é uma garota como outra qualquer, frágil,sensível,fofa, ela apenas não demonstra isso por simples medo de expor suas fraquezas. Sorria. - Fico feliz porque você é um Bom Homem e vai fazer bem para ela.
- Eu agradeço pelo seu apoio. Olhava para ela. - Ela realmente tem uma áurea linda em volta de si, ela tem uma energia que faz você querer ficar perto dela...
- Essa é uma das qualidades dela, esse algo que faz você querer ficar perto dela. Sorria. - Posso te fazer uma pergunta?
- Claro. Ambos saíam caminhando dali.
- Como você se apaixonou pela Bri?
- Na verdade, nem eu sei quando e como me apaixonei, eu apenas comecei a reparar mais nela, sentir a presença dela, esse jeito engraçado dela e tem toda essa coisa que me atrai, eu não sei dizer ao certo o que é, mas é como se fosse um ímã atraindo o metal.
- Acho que vocês simplesmente nasceram para ficar juntos. Se aproximavam de Bri, que os esperava encostada no carro de Ash.
- Então? Bri se virava para eles. - Vocês conversaram? Está tudo bem? Dizia apreensiva.
- Sim e eu estou feliz por vocês. Nick sorria. - Desejo de verdade que vocês sejam felizes juntos.
- Thanks amiga. Bri se aproximava dela, abraçando-a.
- Não tem o que agradecer. A olhava nos olhos. - Bom, se não for pedir demais, quero ver um beijo do casal.
- Não seja por isso. Misha puxava Bri para si, iniciando um quente beijo.
- Aeeeeee. Nick dava pulinhos.
- Louca. Bri se virava para a amiga. - Você percebeu que está na porta de um cemitério? Bri parava o beijo.
- Ué... Nick dizia um pouco envergonhada. - Ahh, antes que eu me esqueça, a Ash pediu para nós encontrarmos ela na minha casa.
- Bom, eu tinha planejado na minha mente passar o dia com o Misha...
- Pode ir para a casa dela. Misha dizia. - Se estiver tudo bem para você, nós podemos jantar juntos.
- Ok, você me pega em casa que horas?
- Às Oito tudo bem?
- Por mim, tudo ótimo.
- Ué, achei que você iria trabalhar no lugar da Bri... Nick se intrometia.
- Como eu sou novo ainda na biblioteca e a Bri pediu o dia de folga por conta do Jared,o Reitor resolveu me dispensar também. Bocejava. - Bom, eu já vou indo. Via um Táxi se aproximar. - Não dormi quase nada esta noite...
- Misha, se você quiser nós podemos te deixar em casa. Bri se oferecia.
- Não precisa. Dava um selinho em Bri. - Não quero ter que incomodar vocês.  Caminhava até o Táxi. - Até depois. Acenava para elas.
- Até. O via sair dali. - Sabe que minha ficha não caiu até agora? Digo, eu e o Misha namorando e ninguém saindo machucado disso tudo.
- Vocês formam um lindo casal.
- Thanks. Sorria, vendo Nick pegar a chave do carro de Ash na bolsa. - Eu vou dirigir. Jogava o cabelo.
- Jamais, você no trânsito é um perigo, já não basta aquela pobre pombinha que você atropelou. Desativava o alarme do carro de Ash, entrando no mesmo.
- Credo Nick. Corria atrás da amiga, entrando no automóvel.

....



- Chegamos. Ash estacionava o carro do lado de fora do Apartamento de Jared.
- Obrigado. Desciam do carro.
- Não precisa agradecer Jared. Sorria para ele. - Nós somos amigos, e amigos se ajudam nos bons e maus momentos.
- Não, eu quero te agradecer por tudo, se não fosse por você, eu não teria me despedido da Molly na cadeia, se não fosse você me apoiando nesse último dia. Olhava nos olhos dela. - Você não estava do meu lado com pena, você estava me apoiando,diferente dos outros...
- Eu sei como é perder alguém que você ama. Dizia com os olhos brilhando de lágrimas. - Quando eu perdi meu Pai, foi uma das piores coisas que me aconteceu, na verdade, eu sinto a morte dele até hoje, principalmente depois de saber a verdade. Dizia bem baixo a última parte,deixando algumas lágrimas cair.





- Jensen tem toda razão de amar tanto você. Pegava nas mãos dela.
- Jared. Sorria timidamente. - Eu não sou tudo isso que ele pensa e estou longe de ser.
- Você é tudo isso sim e muito mais, você é diferente das outras garotas, você tinha tudo para ser uma Lav da vida, egoísta, egocêntrica, insuportável. Limpava algumas lágrimas que ela deixava cair. - Mas não, você é diferente, se preocupa com as pessoas, as respeita, não importa quem seja.
- É que ninguém é melhor do que o outro, não importa o que ele tem ou é.
- Como disse, o Jensen tem total razão de te amar tanto.
- Jared. Começava a chorar. - Caso aconteça qualquer coisa, diga a ele que eu o amo, como nunca amei ninguém.
- Hey, não chore. Limpava as lágrimas dela.
- Caso aconteça qualquer coisa, diga a ele que terá uma caixinha enterrada no jardim da minha casa. Chorava mais. - Ele vai saber onde.
- Tudo bem. A Abraçava. - Mas agora pare de chorar, você está me assustando falando desse jeito.
- Não fique. Se afastava, limpando as lágrimas sorrindo.
- Sabe, você está estranha, agindo como... Deixa pra lá.
- Acho que essa morte da Molly também mexeu comigo. Ash disfarçava o verdadeiro motivo.
- Você não quer subir?
- Acho melhor não, eu preciso ir, quero passar o dia com minha amigas e depois ficar um pouco com minha Mãe.
- Ok. Dizia estranhando tudo.
- Bom, Adeus. Se virava, saindo caminhando lentamente dali.
- Ash. Dizia, fazendo a mesma se virar. - Espera. Corria até ela.
- O que foi? Olhava nos olhos dele.
- Me perdoe por isso, mas eu preciso fazer. Jared a puxava para si, iniciando um beijo desejado por si mesmo, Ash simplesmente ficava sem reação deixando Jared tomar conta da situação.
- O que você acabou de fazer? Ash se afastava. - Porque você me beijou? Olhava espantada para ele.
- Eu precisava fazer isso,eu já venho pensando em você há um tempo, antes eu achei que era um encanto de amigo, mas com esse beijo...
- Não, você não deveria ter feito isso, você ama a Nick e Ela ama você e vocês tem que ficar juntos. Saía correndo rapidamente dali, pegando um Táxi mais afrente.
- O deu em mim? Jared voltava a seu juízo. - Por que eu a beijei? o Jensen não vai me perdoar ao saber.
- O que deu no Jared para fazer isso? Ash Dizia pensativa enquanto o Táxi passava ao lado de Jared. -  Deve ser carência pós perda. A Nick não vai poder saber disso. Chorava. - Ai Deus, por que? Eu não posso mais fazer besteira,quando eu estiver morta quero ser lembrada por fazer boas coisas,não por ser ... Ash ficava com seus pensamentos dentro do táxi.

....



- Nick. Bri dizia enquanto a amiga estacionava o carro de Ash em frente sua casa. - Não sei se você também percebeu mas a Ash está estranha...
- Achei que era coisa da minha mente. Via o celular de Ash caído no chão do carro e logo o pegava.  - Mas você também percebeu. Desciam do carro.
- É o da Ash? Bri se referia ao celular.
- Yeah, ela deve ter deixado cair e nem percebeu. Batia a porta do carro,ativando o alarme. - Voltando ao assunto, Ela está  estranha desde a hora que a Lav foi embora do hospital.
- Ela está é nostálgica, aérea,com um olhar diferente.Caminhavam até a porta da casa de Nick.
- Bom, assim que ela chegar aqui agente tenta descobrir o que está acontecendo. Abria a porta de sua casa, entrando na sala.
- Nick, Bri, como foi o funeral? Cecy dizia sentada no sofá, lendo uma revista qualquer.
- Foi um pouco triste e ao mesmo tempo engraçado.
- Como assim engraçado? Estranhava.
- A Bri e o Ex Padre estão "Namorando" e as pessoas começaram a comentar e a Bri começou a soltar podre das pessoas...
- Bri sua maluca. Cecy gargalhava.
- Ah, não suporto essas pessoas que tem a vida mais suja que Pau de Galinheiro e querem falar da vida dos outros, falei e falaria novamente.
- Ah, não tiro sua razão, certas pessoas chegam a ser insuportáveis.
- Mommy, qualquer coisa que a Senhora precisar, estaremos no quarto. Nick saía caminhando na frente, seguida de Bri.
- Tudo bem  e antes que eu me esqueça, o moço da assistência técnica esteve aqui mais cedo e entregou seu Note Book.
- Ele conseguiu concertar o Notebook depois desse tempo todo? Nick dizia surpresa. - Achei que ele já tinha ido pro lixo a séculos.
- Sim, ele disse que foi um vírus super potente que abriram no seu computador e sobre a demora, foi porque o Notebook tinha sumido no depósito da Loja.
- Será que foi a Lav que abriu vírus no seu Note? Bri gesticulava para Nick.
- Eu acho. Gesticulava de volta. - E onde está o Note?
- Em cima de sua cama.
- Será que ainda tem aquela pasta que eu fiz com alguns homens nus? Bri dizia mordendo a ponta do dedo indicador.
- Shiu. Nick cutucava a amiga. - Obrigada por avisar Mãe. Nick subia a escada correndo, entrando em seu quarto rapidamente.
- Vamos procurar as fotos. Bri se jogava na cama feito uma louca.
- Larga de pensar em pornografia Bri... Nick a repreendia.
- Bitch Please, não venha fazer a linha " Ai sou santa, nunca vi um homem nú na minha frente" Quem vê até pensa que não gosta.
- Bri. Jogava uma almofada na amiga. - Como que você fala isso assim, nessa cara de Pau?
- Nick, eu sei muito bem certos detalhes da pessoa que você ama, não faça a Santa.
- Ahhhhhh. Tampava os ouvidos correndo para o banheiro do seu quarto.
- Não sei porque o espanto. Começava a mexer no NoteBook da amiga. - Será que se assustou também ao ver a Padaconda?
- Eu escutei. Nick gritava.
- Oops. Gargalhava. - Nick, seu celular está tocando?
- Tem certeza que é o meu? Porque a bateria dele descarregou.
- O meu é que não é.
- Deve ser o da Ash. Saía do banheiro, caminhando até a cama, pegando o celular da amiga.
- Algum bofe novo ligando para ela? Dizia interessada.
- Não. Pegava o celular dentro de sua bolsa, vendo o nome Lav no visor. - É uma mensagem da Lav.
- Como? Bri se sentava ao lado da amiga.
- Leia. Nick mostrava a mensagem.


Apenas te lembrando, não se esqueça do nosso trato, hoje às 21:00 horas. XoXo Lav. 



- Que trato? Bri dizia surpresa ao terminar de ler a mensagem. - Desde quando a Ash faz trato com ela?
- E pior, porque isso não está me cheirando bem?
- Porque a Lav está envolvida? Deduzia.
- Será que isso tem algo a ver com o comportamento dela?
- Vamos descobrir isso agora. Bri escutava a voz da amiga conversando com a Mãe de Nick.
- Ai Deus, tomara que a Ash não tenha feito nenhuma loucura. Dizia aflita, vendo a amiga entrar em seu quarto.
- Nick, Bri Hi. Sorria para elas. - Oh No, eu conheço esses olhares. Parava na portal da porta com a mão na cintura. - O que aconteceu?
- Tem certeza que é você que deve fazer essa pergunta? Nick balançava o celular da amiga em sua mão.
- Alguma mensagem? Dizia um pouco aflita, caminhando até a poltrona, se sentando.
- Uhun. As duas diziam juntas.
- E vocês leram? Dizia apavorada, vendo elas confirmarem balançando a cabeça.
- Ash, que trato você fez com a Lav? Nick dizia apreensiva.
- Oh God, não era para vocês saberem de nada. Começava a deixar algumas lágrimas cair.
- Ash, o que está acontecendo? Bri se aproximava dela, se ajoelhando ao lado da amiga. - Você está estranha, com um olhar triste...
- Primeiro prometam que vocês não vão interferir em nada. Limpava as lágrimas.
- Nós prometemos. Diziam juntas. - Agora diga, porque você já está nos assustando. Bri olhava para ela.
- Vocês lembram a hora que eu expulsei a Lav do Hospital ?
- Sim, o Henri já estava preocupado com a demora... Nick se sentava na beirada da cama, olhando para a amiga.
- Então, eu demorei porque eu estava me recompondo para subir...
- Se recompondo por conta de um barraco? Bri dizia confusa. - Ash, você já enfiou a mão na cara dessa vaca e nem por isso teve que se recompor...





- Ai, eu não sei como dizer isso. Começava a chorar.
- Ash, o que você fez? Nick dizia preocupada.
- Ela ameaçou matar vocês, minha Mãe, Jensen,Hennri... Deixava mais lágrimas cair. -  Eu não podia deixar isso acontecer, vocês sabem que ela é louca o suficiente para fazer isso.
- Você não fez isso. Bri dizia surpresa.
- Eu disse que ia a denunciar, e ela simplesmente falou " Não pense que eu não posso fazer nada da prisão, se eu quiser, eu contrato um terrorista para acabar com essa cidade".
- Ash, você ainda não respondeu, o que ela quer com você? Nick não acreditava no que estava subentendido.
- Ela quer que eu me sacrifique para todos vocês ficarem bem. Começava a chorar.
- Você não pode fazer isso, nós não vamos deixar. Bri dizia séria.
- Mas isso não é uma escolha de vocês. Suspirava. - Eu não quero pagar para ver, imagina, algo acontece com vocês? Ou então ela resolve matar alguém para me amedrontar?
- Ash, ela não vai fazer isso, ela só está te amedrontando. Nick dizia duvidando de si mesma.
- A Lav não ameaça atoa. Bri olhava para Nick.
- Ash, mate ela, você não pode morrer.
- Bri. Ash olhava para ela. - Eu jamais mataria qualquer pessoa, inclusive ela.
- Mas é legítima defesa. Nick dizia pensativa.
- Eu não posso fazer isso, até porque eu não sei se tem mais gente a ajudando, e se ela morre e alguém se vinga cumprindo a promessa dela? Eu não vou arriscar a segurança de ninguém, se isso vai fazer ela parar, então, que seja feita a vontade dela. Deixava mais lágrimas correr por sua face.
- Mas você não pode. Nick começava a chorar.
- Sabe, morrer por quem agente ama, é uma maneira bonita de partir, podem ter certeza que... Se levantava.
- Ash, eu não acredito que você vai fazer isso. Bri se levantava abraçando a amiga.
- Amiga. Nick se aproximava, iniciando um abraço triplo, ambas deixando lágrimas cair...
- Você quer fazer algo em especial? Bri tentava a animar.
- Acho que vou pra casa, passar um tempo com a minha mãe... Limpava as lágrimas.
- Tem certeza?
- Tenho Bri, se vocês quiserem ir para minha casa mais tarde...
- Pode deixar que nós vamos. Nick olhava a amiga se distanciar.
- Bom, até mais tarde. Sorria. - E por favor meninas,não se intrometam nisso,a Lav não está brincando. Deixava o quarto..

....





- Que dia lindo. Lav colocava os brincos sentada de frente para a penteadeira. - A anta dois palmos abaixo da terra, o Baby Gremlin morto e a Ash com os dias, ou melhor, horas contadas. Gargalhava. - Kaaaaaaaarl. A Gritava. - Velha imprestável, não sei porque o diabo não a veio buscá-la, já está ficando por caridade no planeta terra. - Kaaaaaaarl sua velha surda. A gritava novamente.
- Sim Senhora Dona Lavínia. Chegava cansada no quarto.


Look Lav - Karl


- Eu a chamei duas vezes e você sabe que eu odeio ter que gritar seu nome mais do que uma vez. Se levantava da cadeira olhando para ela.
- Desculpe Senhora, mas eu estava preparando seu Café da manhã e ter que subir essa escada as pressas na minha idade é difícil.
- Ooh, era só o que me faltava, ter que aguentar reclamação de reumatismo de gente velha. Bufava.
- O que a Senhora Deseja?
- Que você se jogasse da escada e me poupasse de ter que olhar pra essa sua cara, mas como isso não vai acontecer. Olhava para ela. - Eu quero saber onde você enfiou o meu jornal que era para estar aqui, no meu quarto. Sorria cinicamente.
- Bom, o entregador se atrasou hoje e como a Senhora ainda não tinha levantado, eu iria trazer o Jornal junto com a bandeja de café.
- Velha imprestável. Pensava. - Está fazendo o que ainda parada aqui? Vá pegar meu jornal, imprestável. Gritava.
- Sim Senhora. Saía dali correndo.
- Ser inútil, nem para trazer um simples jornal serve. Se olhava no espelho. - Quem sabe eu contrate uma ajudante para essa velha esclerosada. Caminhava até a porta, olhando pelo corredor se a Empregada se aproximava. - Kaaaaarl, se você fizer eu gritar esse nome de caipira mais uma vez eu juro que...
- Ca,Cal,Calma Senhora. Karl se aproximava ofegante. - Aqui está o Jornal. Entregava para ela.
- Até que enfim. Pegava o jornal.
- A Senhora quer algo em especial para o Café?
- Não, o de sempre mesmo, agora some com essa sua cara daqui. Entrava no quarto, batendo a porta na cara da empregada.
- Credo, isso é a esposa divorciada de Satanás, nem o coitado aguentou. Karl saía dali fazendo sinal da Cruz.
- Vamos ver se tem algo na parte policial. Lav se sentava na cama, passando as páginas até chegar na ala Policial.
- Achei. Lav começava a ler a matéria e logo gargalhava.

"Enfermeira é Assaltada ao Ajudar Uma Prostituta"

Na Noite de ontem, por volta das Dez horas da Noite, na área externa do Hospital de East St. Louise a Enfermeira Giulia Albelin ao sair durante um pequeno intervalo de descanso, foi assaltada, segundo a descrição, por uma Prostituta de rua, descrita como Loira,cabelos curtos,Alta,pele pálida, olhos pretos,lábios vermelhos,sotaque de rua como de uma Mulher da Vida. A vítima se aproximou da criminosa na intenção de ajudar, já que a mesma parecia estar passando mal, o que não passou de uma pequena distração para atrair a vítima e assaltá-la. A enfermeira teve sua cabeça socada no chão, sofrendo um longo desmaio. A Loira criminosa levou cerca de 200 dólares que estavam dentro da bolsa da enfermeira e depois trancou a vítima dentro de um quartinho do hospital. A Polícia tenta localizar a Loira Criminosa ( Assim apelidada), embora parece ser impossível, já que as características não coincidem com nenhum criminoso com passagem pela polícia. Suspeita-se que a intenção do assalto seja pelo simples motivo " Drogas".

- Ai, que bando de antas. Lav começava a gargalhar. - Será que não pensaram em usar a câmera de segurança? Gargalhava. - Bando de amadores, ainda bem que tive a ideia de retirar o dinheiro da bolsa da anta enfermeira. Se levantava da cama. - Bom, deixe eu tomar meu café. Olhava as horas no relógio. - Ou almoço, tanto faz. Saía do quarto sorridente. - Hoje será o dia mais feliz da minha vida. Caminhava pelo corredor. - Na verdade, já está sendo.

...



- E seja o que Deus quiser. Jensen batia na porta da casa de Ash.
- Sim, em que posso lhe ajudar? Lilly abria a porta sorrindo.
- Hi. Dizia envergonhado. - Eu sou Jensen, amigo da Ash, ela está?
- Ela foi no funeral da Molly, já era inclusive para ter voltado...
- Humm. Dizia pensativo. - Bom, acho melhor eu voltar depois então.
- Espera, ela acabou de chegar. Lilly via a filha estacionar o carro.
- Good. Sorria envergonhado.
- Porque eu tenho a impressão que te conheço de algum lugar? Lilly olhava para ele.
- Talvez porque eu já fui professor dela...
- Oh, você é o Jensen, Ex namorado dela, certo? Lilly se lembrava das fotos que L.B. havia enviado.
- Yeah, sou eu. Sorria envergonhado.


Ash's Home




- Jensen, o que você está fazendo aqui? Ash se aproximava.
- Bom, vou deixá-los a sós. Lilly sorria. - Foi um prazer te conhecer Jensen. Acenava para ele.
- Igualmente Senhora Baltmoore. A via se distanciar, se virando para Ash. - Bom, eu encontrei com o Jared e ele disse que você estava estranha...
- Ele te contou algo? Dizia apavorada.
- Não, apenas disse que você parecia estar se despedindo.
- Ainda bem. Respirava aliviada.
- Como? Não entendia a reação dela.
- Nada. Balançava a cabeça.
- É, o Jared está certo, você está estranha...
- Eu estou normal, apenas um pouco abalada com a morte da Molly, foi algo triste... Tentava disfarçar o real motivo.
- Tem certeza? Se aproximava, acariciando a face dela.
- Tenho. Olhava para baixo.
- Então acho que já vou indo.
- Espera. Segurava nas mãos dele.
- Sim. Sorria para ela.
- Eu quero que você saiba, não importa o que aconteça, eu sempre te amei e eu sempre irei,espero que, quem sabe, de alguma maneira nós possamos ficar juntos, saiba que eu sempre estarei a seu lado, toda vez que você sentir minha falta, basta você colocar sua mão no coração e tenha a certeza de que eu estarei a seu lado. Ash pegava a Mão direita de Ackles, elevando-a até o coração dele, podendo sentir os batimentos cardíacos do loiro.
- Ash, eu amo você também e eu sei que vamos ficar juntos. A olhava nos olhos, aproximando seus lábios dos dela, iniciando um apaixonado beijo.
- Obrigada. Olhava nos olhos dele. - Por ter estado ao meu lado quando eu mais precisei. Sorria. - I Love You.
- Obrigado por me ensinar o que é verdadeiro amor. Sorria de volta. - Porque eu nunca acreditei nisso, até te conhecer. Limpava algumas lágrimas que ela deixava cair.
- Bom, se você não se importa, eu preciso fazer algumas coisas...
- Tudo bem, nós vemos depois então...
- Sure. Ash o via se afastar, começando a chorar, pelo simples motivo do Amanhã, não mais existir. Como ela queria acreditar que esse "nós vemos depois" fosse verdade.


......

Nick's Home


- Nós precisamos fazer alguma coisa. Nick saía do banheiro, enrolada em uma toalha. - A Ash não vai morrer mesmo. Dizia pensativa.
- Eu concordo, nunca que vou deixar uma das minhas melhores amigas fazer uma loucura dessas. Via algumas fotos no Notebook.
- Sério que você está vendo pornografia numa hora dessas? Olhava para ela descrente.
- Homens Nakeds me ajudam a pensar melhor. Dizia naturalmente.
- Vamos pular essa parte. Nick se sentava ao lado da amiga. - O que nós podemos fazer para ajudar a Ash? Dizia pensativa. - Avisamos o Patrick? A Lilly? A Policia Federal?
- Tenho uma ideia melhor. Bri gargalhava. - Que tal agente comprar alguns lobos famintos e soltar em cima da Lav? Imagina, ela virando comida de animal?
- Você está falando sério? Olhava assustada para a amiga.
- Of Course, poderíamos aproveitar e comprar alguns ursos, jacarés...
- Você não pode estar falando sério. Nick balançava a cabeça negativamente.
- Ué, é uma Boa ideia.
- Espera. Nick olhava para a Tela do NoteBook.
- O que? Olhava assustada para a amiga.
- Volta nessa pasta. Nick dizia surpresa.
- Ok. Bri fazia o que a amiga dizia. - O que tem de tão importante aqui?
- Esse vídeo. Nick clicava...


Video On 



- OMG. Nick e Bri diziam surpresas. - Não acredito que o vídeo foi restaurado também. Nick ficava estática.
- E agora, vamos correr para a delegacia antes que algo dê errado, dessa vez a Vadia da Lav vai apodrecer na cadeia. Bri fechava o NoteBook. - Wait, a Lav não tinha deletado esse vídeo no Campus aquele dia? - Como ele veio parar aqui novamente?
- A Ash fez uma cópia no Pen Drive, que a Lav roubou e eu por segurança fiz uma cópia em uma pasta Back Up, só que o vídeo foi corrompido quando a Lav apagou o original...
- Ai, que confusão. Gargalhava. - Mas ainda bem que temos esse vídeo de volta.
- Então, vamos nos trocar e ir direto para a delegacia. Nick se levantava da cama rapidamente.


Relembrando: Look Lav - Amy Vanderbill Sala Dos Vanderbill


- Lav, se eu te mandei para L.A. foi por que eu te amo, e queria ver você bem, tranquila, longe de problemas.
- O negócio é que eu estava muito feliz vivendo minha vida aqui Velha Maldita.
- Vamos parar de brigar Lav, faz um bom tempo que não te vejo, você foi na formatura?
- Não, Eu vim me despedir da minha mãezinha querida. Ficava de frente para Amy. - Vim retomar a minha Vida em East St. Louise.
- Hã? Você bebeu? Se afastava.
- Não,nunca estive tão sóbria na minha vida. Lav retirava um revolver da bolsa.
- Filha, o que é isso? Amy continuava se afastando. - Pra que este revolver?
- Sabe,minha vida toda eu me senti sozinha,me consolando com migalhas de todos. Caminhava atrás da Mãe.
- Lavínia, você está me assustando. Chegava perto da escada. .
- Agora eu percebo, não preciso de ninguém,apenas de mim, e de dinheiro. Gargalhava coçando a cabeça com a arma.
- Lav minha filha, jogue esta arma no chão. Amy começava a se preocupar.
- E ai,agente percebe que se vingar é bom, e que matar pode ser prazeroso,ainda mais quando se tem motivos. Olhava para o nada, iniciando uma gargalhada , gargalhada que ecoava por toda a sala.
- Filha,para com isso. Se aproximava das escadas.
- Você foi a pior coisa da minha vida ,sua velha vagabunda. Lav apontava arma pra ela.
- Não, você não pode. Amy subia correndo as escadas.
- Claro que eu posso, eu posso tudo. Exibia um olhar amedrontador. Lav mirava no lado esquerdo do Peito de Amy. - Te vejo no inferno Mãezinha. O vídeo ficava completamente preto, dando apenas para escutar o barulho do tiro.

Video Off.


- OMG. Nick e Bri diziam surpresas. - Não acredito que o vídeo foi restaurado também. Nick ficava estática.
- E agora, vamos correr para a delegacia antes que algo dê errado, dessa vez a Vadia da Lav vai apodrecer na cadeia. Bri fechava o NoteBook. - Wait, a Lav não tinha deletado esse vídeo no Campus aquele dia? - Como ele veio parar aqui novamente?
- A Ash fez uma cópia no Pen Drive, que a Lav roubou e eu por segurança fiz uma cópia em uma pasta Back Up, só que o vídeo foi corrompido quando a Lav apagou o original...
- Ai, que confusão. Gargalhava. - Mas ainda bem que temos esse vídeo de volta.
- Então, vamos nos trocar e ir direto para a delegacia. Nick se levantava da cama.
Share this article :

1 comentários:

  1. Ahhhhhh, passada com o Capítulo.

    Vai render esse beijo da\Ash com o Jared, prevejo. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Achei lindo a Nick e a Bri se preocupando com a Ash.

    A Lav com a Karl, gente de Deus, fiquei assim né de boca aberta. kkkkkkkkkkkkk É muito ruim essa mulher credo.

    Jensen e Ash meio que se despedindo, muito triste.
    Ai Laura, pelo amor, não mata a Ash. kkkkkkkkkkkkkkkk

    Misha e Bri juntos, dois destrambelhados. kkkkkkkkkkkkk Adoooro.

    Aiiiii, o vídeo apareceu, finalmente, será que dessa vez a Vadia da Lav se fode de vez? Ai, ansiosa demais, já quero a continuação.

    Amei as músicas os Looks e o Capítulo perfeito como sempre.

    ResponderExcluir

 
Support : Your Link | Your Link | Your Link
Copyright © 2013. Supernatural Family | Here's Your Family. - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger